Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    29/05/2018

    Chefe da Petrobras: reajustes diários não foram 'escolha caprichosa'

    Pedro Parente admitiu que a fórmula de cálculo do preço do diesel poderá mudar, mas disse confiar que a companhia manterá liberdade para definir margens de lucro e que as mudanças se restringirão ao óleo diesel

    ©Paulo Whitaker / Reuters
    Pela segunda vez em menos de uma semana, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, convocou analistas para tentar acalmar o mercado com relação ao risco de ingerência do governo nos negócios da companhia. Ele admitiu que a fórmula de cálculo do preço do diesel poderá mudar, mas disse confiar que a companhia manterá liberdade para definir margens de lucro e que as mudanças se restringirão ao óleo diesel.

    O governo prometeu aos caminhoneiros que, após congelamento de 60 dias, o preço do diesel será reajustado mensalmente, e não mais diariamente, como prevê a política atual da Petrobras. Na segunda (28), dia seguinte ao anúncio, as ações da estatal despencaram 14,6% na bolsa de São Paulo.

    Os analistas que participaram da conferência demonstraram preocupação com o aumento da interferência do governo na gestão da empresa. "O governo sempre ressaltou que não estava demandando mudança nas questões essenciais da política de preços. No entanto, não é segredo para ninguém que essa é uma empresa de controle e estatal e que eleições têm enorme influência", disse Parente.

    Ele tomou posse em 2016 afirmando que a política de preços da companhia não teria mais influência do governo. Parente também disse que uma nova fórmula de cálculo do preço do diesel pode ser definida em negociações com o governo, mas afirma acreditar que "os conceitos" da política de preços estabelecida em 2016 serão mantidos. 

    "Pode ter mudança em alguns aspectos, mas nosso objetivo é não produzir mudanças no resultado dessa política", disse ele. Atualmente, a Petrobras calcula os preços da gasolina e do diesel somando a cotação internacional, o custo de importação e uma margem de lucro. Por 60 dias, a empresa dará um desconto de R$ 0,30 por litro sobre o preço atual. Parte do valor será reembolsada pelo governo, mas a forma de reembolso ainda está em negociação e é outra preocupação do mercado.

    Parente defendeu que os reajustes mensais mantenham o conceito de remunerar a empresa de acordo com as cotações internacionais, mesmo que os percentuais sejam mais altos todos os meses. Ele ressaltou ainda a necessidade da instituição de um imposto de importação sobre o diesel, já anunciada pelo Ministério da Fazenda, para evitar perdas para a Petrobras, uma vez que a estatal terá que manter seus preços por períodos de 30 dias.

    A decisão por realizar reajustes diários foi tomada quando a empresa percebeu que a queda das cotações internacionais durante o mês criava janelas de oportunidade para importações por terceiros, que roubaram mercado da estatal. "A mudança de periodicidade mensal para diária não foi escolha caprichosa. Foi fundamental para que pudéssemos escolher entre margem e market share [participação de mercado]", afirmou.

    No início da teleconferência, o presidente da Petrobras enumerou resultados alcançados por sua gestão, como a redução do endividamento e dos custos e frisou que a empresa tem cumprido suas metas de produção. Ele disse que não espera alterações em cronogramas de investimentos ou metas de redução do endividamento com a mudança na política de preços.

    GREVE

    Parente disse confiar que os empregados da Petrobras "entendam o momento" e não participem de greve de 72 horas convocada por sindicatos de petroleiros para ter início nesta quarta (30). O movimento pede a redução dos preços dos combustíveis e troca no comando da empresa. "Não existe nem pauta reivindicatória. É muito mais de natureza política do que por negociações de questões trabalhistas", comentou o presidente da Petrobras. 

    NAOM-Com informações da Folhapress.


    Imprimir