Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    12/04/2018

    STJ tira Alckmin da rota da Lava Jato em São Paulo

    Tucanos respiram aliviados com envio do caso Alckmin para Justiça Eleitoral, mas temem desgaste político

    © Adriano Machado / Reuters
    Integrantes da cúpula do PSDB respiraram aliviados com a decisão da ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que determinou que o inquérito que investiga o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin seja enviado à Justiça Eleitoral do estado.

    Isso porque o caixa dois é considerado um crime eleitoral, e, portanto, de gravidade menor do que o crime de corrupção.

    Mesmo assim, tucanos reconhecem que o desdobramento do caso na primeira instância terá desgaste político para Alckmin e será explorado na sucessão presidencial.

    Alckmin deixou de ter o foro privilegiado do STJ ao renunciar recentemente o cargo de governador e por isso o seu caso passou para a primeira instância.

    “Mesmo com a investigação na Justiça Eleitoral, haverá uma grande exploração política do caso na campanha presidencial”, reconheceu um integrante da Executiva do PSDB.

    O inquérito foi aberto após a delação da Odebrecht. Delatores disseram que a construtora teria repassado mais de R$ 10 milhões para campanhas de Alckmin ao governo paulista em 2010 e 2014, e que as quantias não teriam sido declaradas na prestação de contas. Ainda segundo delatores, um cunhado do governador teria recebido, pessoalmente, parte desses valores.

    O tucano foi oficializado como pré-candidato da legenda à Presidência da República após reunião da executiva nacional do partido em março.

    Por Gerson Camarotti
    Imprimir