Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    05/12/2017

    Projeto de lei determina avaliação para a prática de exercícios físicos em MS

    © Divulgação
    Com a finalidade de preservar a integridade física de praticantes de atividades físicas em Mato Grosso do Sul, o segundo secretário da Assembleia Legislativa, deputado estadual Amarildo Cruz (PT) apresentou nesta terça-feira (5), projeto de lei que estabelece a realização de avaliação de aptidão física a todo participante, a partir de 15 anos de idade, com validade de 12 meses. A proposta é extensiva a todos os estabelecimentos prestadores de serviço em lutas, ginásticas, musculação, dança e natação, clubes esportivos e recreativos.

    Na avaliação deve conter análise anamnese completa, fatores de risco para cardiopatia, classificação de risco, sintomas e sinais sugestivos de doenças cardiovasculares e pulmonares, podendo ainda contemplar medidas antropométricas, testes neuromotores e avaliações metabólicas, cardiorrespiratória e postural.
    © Divulgação
    "O profissional de educação física, com registro, é habilitado para avaliar a aptidão ou não do praticante em qualquer atividade física. Essa é uma medida preventiva que pode evitar muitos problemas, inclusive o óbito de pessoas, como já aconteceu em vários estados brasileiros", comentou o parlamentar.

    O projeto estabelece ainda que se detectado algum problema de saúde no futuro praticante, o mesmo deverá ser orientado a procurar um médico especialista. "Muitas pessoas têm problemas cardíacos e não sabem. É justamente aí a nossa preocupação. Por isso, a recomendação é que se procure um médico especialista", explica o deputado.

    O deputado Amarildo Cruz lembrou que o PL apresentado é fruto de uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa, que contou com a participação de acadêmicos, associações, conselhos e professores. "A avaliação física é um elemento primordial e indispensável para a detecção de fatores limitantes ao treino, além de ser uma forma de se obter o perfil do avaliado e programar os exercícios adequados sem gerar prejuízos ao aluno”, finalizou. 

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS