Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    06/12/2017

    Governo está disposto a liberar R$ 21,8 bilhões para aprovar a Previdência

    Há ainda valores não estimados de renúncias. Temer aposta todas as fichas pela reforma.

    Partidos cobram de Michel temer (PMDB) mais benesses para apoiar a reforma da PrevidênciaSérgio Lima/Poder360 - 13.jul.2017
    O governo está disposto a liberar R$ 21,8 bilhões para aprovar a reforma da Previdência na Câmara. Os recursos vêm de possíveis renúncias fiscais, distribuição de verba para cidades e pagamento de emendas dos congressistas ao Orçamento:

    R$ 5 bilhões – o governo já se comprometeu a repassar R$ 2 bilhões aos municípios ainda neste ano e diz que, caso seja aprovada a Previdência, repassará mais R$ 3 bilhões em 2018;

    R$ 1,82 bilhão – foram empenhados cerca de R$ 420 milhões em emendas desde a votação da 2ª denúncia, em 25 de outubro. Além disso, o governo tem mais R$ 1,4 bilhão disponível para “empenhar” (comprometer) no Orçamento deste ano;

    R$ 15 bilhões – o Planalto promete não atrapalhar o acordo para perdão de dívidas do Funrural. O projeto foi feito com base no relatório apresentado na tramitação da medida provisória sobre o tema. A estimativa é de R$ 15 bilhões em renúncia fiscal;

    sem estimativa – o governo ainda deve colocar em votação mais 1 projeto de renúncia fiscal, o Refis das micro e pequenas empresas do Simples Nacional. O projeto de lei estabelece parcelamento das dívidas em até 180 meses e descontos de até 90% nos juros e 70% nas multas. Não existe uma previsão assentada sobre a renúncia fiscal. Na mídia, já vazaram valores de cerca de R$ 8 bilhões em 15 anos.

    O presidente Michel Temer disse que a reforma só vai a votação na Câmara se o governo tiver os 308 votos necessários para aprovação. O Planalto joga toda a sua energia pela proposta.

    Nesta 4ª (6.dez.2017) haverá 1 café no Alvorada para discutir a reforma com líderes governistas, ministros e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Era para ser 1 jantar. Mas o Planalto antecipou o encontro por receio de que congressistas deixem Brasília para retornar às suas cidades.

    Temer ouvirá a contagem de votos que tem em cada bancada a respeito da Previdência. Os partidos já traçam estratégias para pressionar bancadas a votar a favor da reforma.

    O PTB orientou voto pró-reforma. O presidente da sigla, Roberto Jefferson, disse ao site Poder360 usará os recursos para as eleições de 2018 como moeda de troca para convencer os integrantes da sigla.

    PSDB e PMDB discutem nesta 4ª se fecham questão pela proposta –quando orientam voto sob ameaça de punir infiéis. O partido de Temer deve chancelar o apoio à proposta.

    Na 3ª (5.dez), Geraldo Alckmin não convenceu a bancada tucana na Câmara sobre o fechamento de questão.

    Fonte: Poder360


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS