Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    01/12/2017

    Dourados foi o município escolhido para a realização do 1º Encontro Técnico da Piscicultura Sul-mato-grossense

    Reuniu nessa quinta-feira (30), mais de 200 pessoas, entre produtores rurais e empresários do setor, para compreender a cadeia da piscicultura

    © Divulgação
    Dourados foi o município escolhido para a realização do 1º Encontro Técnico da Piscicultura Sul-mato-grossense, que reuniu nessa quinta-feira (30), mais de 200 pessoas, entre produtores rurais e empresários do setor, para compreender a cadeia da piscicultura no Brasil e no mundo. O evento foi realizado pelo Senar/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de MS na sede do Sindicato Rural do município.

    O superintendente do Senar/MS, Lucas Galvan, apresentou os números alcançados pela entidade, com destaque para a assistência técnica e gerencial que orienta 80 produtores e já alcançou R$ 4,7 milhões comercializados com pescados. “Este encontro serve para explorar o potencial que Mato Grosso do Sul tem para a piscicultura e a entidade tem o compromisso de replicá-lo em diferentes regiões do estado. Temos vocação, condições favoráveis para o desenvolvimento desta cadeia e, por isso, pretendemos torna-lo cada vez mais competitivo. Esse é o nosso grande objetivo”, explica.

    O presidente do Sindicato Rural de Dourados, Lucio Damalia, colocou a unidade sindical à disposição para realização de eventos que agreguem ao setor. “Agradeço o Senar/MS, representado aqui pelo superintende Lucas Galvan, por escolher a nossa sede para realização desse primeiro encontro, que soma conhecimento e traz novas possibilidades aos produtores da região”, ressalta.

    Características como volume de água, cultura do agro, mercado consumidor próximo e matéria-prima mais barata do mundo, que é a ração, confirmam as boas condições para atuar nesta atividade em Mato Grosso do Sul. “A proteína animal mais exportada no mundo é o peixe. Vendemos para outros países 50% de tudo que é produzido aqui. Até 2030 será 75% e, para atender a demanda que é maior se comparado à oferta, precisaremos produzir muito mais peixe Assim, será necessário investir em genética”, explica o sócio fundador da Aquabel América Latina, Ricardo Neukirchner.

    O presidente da Associação Brasileira da Piscicultura – Peixe BR, Francisco Medeiros, falou da necessidade de protagonistas neste mercado. “Há 18 anos participei de um congresso realizado em Mato Grosso do Sul, que foi escolhido por causa da importância na produção de peixes. A terra tem excelente capacidade produtiva, além das políticas tributáveis do ICMS – Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, localização geográfica e a logística. Tudo isso confirma que, para a produção alavancar, é preciso investimento por parte dos produtores”.

    Mercado

    Dentre as informações relevantes do evento está que, embora o maior volume comercializado seja na peça inteira da tilápia, o filé é registrado como a grande responsável pelas exportações de peixe do país. Uma segunda opção na produção está o tambaqui, espécie nativa de MS.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS