Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 6 de novembro de 2017

    Veja quem são os presos que estão foragidos após explosão de muralha de presídio em Palmas

    Ao todo, 22 detentos fugiram da Casa de Prisão Provisória de Palmas. Destes, oito seguem foragidos e estão sendo procurados pela polícia.

    © Divulgação
    A Secretaria de Cidadania e Justiça divulgou os nomes e as fotos dos presos que continuam foragidos da Casa de Prisão Provisória de Palmas. Ao todo, 22 detentos fugiram na noite deste domingo (5) após explodir uma das muralhas do presídio. Destes, 14 foram recapturados e oito seguem foragidos.

    Veja quem são os foragidos:

    Alex Lopes Arruda
    Alex Lopes Arruda é um dos foragidos da Casa de Prisão Provisória de Palmas (Foto: Divulgação)
    Eduardo Almeida Carvalho
    Eduardo Almeida segue foragido da CPP de Palmas (Foto: Divulgação)
    Levi Barbosa de Sousa
    Levi Barbosa de Sousa está sendo procurado após fuga na CPP de Palmas (Foto: Divulgação)
    Marcos Alberto Santana de Oliveira
    Marcos Alberto Santana é um dos foragidos da Casa de Prisão Provisória de Palmas (Foto: Divulgação)
    Thiago de Oliveira
    Thiago de Oliveira fugiu da CPP de Palmas neste domingo (5) (Foto: Divulgação)
    Valdivino Pinheiro Júnior
    Valdivino Pinheiro Júnior é um dos 22 presos que fugiram da CPP de Palmas neste domingo (5) (Foto: Divulgação)
    Werlison da Silva Martins
    Werlison da Silva Martins segue foragido da CPP de Palmas (Foto: Divulgação)
    Flavio Euripedes Ferreira
    Flavio Euripedes Ferreira está foragido da CPP de Palmas (Foto: Divulgação)
    Entenda

    Nesta manhã, o helicóptero da Secretaria de Segurança Pública sobrevoa uma área verde perto da unidade à procura dos presos.

    A suspeita é que os criminosos escavaram um buraco até chegar no pátio da unidade. Depois, usaram dinamite para explodir uma das muralhas da CPP. Na noite deste domingo, tiros foram disparos de dentro do local.

    Há dois meses, durante uma vistoria, foram apreendidos cerca de quatro quilos de explosivos que estavam escondidos dentro das celas. A entrada desse material dentro da unidade está sendo investigada.

    A PM informou que o policiamento nas ruas e nas entradas da cidade foi reforçado. Segundo a corporação, alguns militares se voluntariaram para apoiar nas buscas. A PM disse que boatos que surgiram nas redes sociais sobre arrastões no centro de Palmas não são verídicos.

    A orientação é que a população evite a região e quem mora nas chácaras próximas que fique dentro de casa. Logo depois da fuga, 10 homens foram contidos pela Polícia Militar momentos após a explosão, os outros 12 saíram pela mata. Outros dois homens foram encontrados no centro da cidade, próximo a Feira do Bosque, na quadra 502 Sul.
    Criminosos usaram dinamite para abrir buraco e fugir da Casa de Prisão Provisória de Palmas (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
    Posicionamento

    A Umanizzare, que administra a Casa de Prisão Provisória de Palmas, disse que era previsto contratualmente 126 colaboradores, mas que a unidade chegou a ter 142. Informou que em nenhum momento a unidade operou abaixo do número de colaboradores estipulados em contrato.

    A empresa deve deixar a unidade neste mês de novembro, quando ocorrerá o processo de transição para a gestão exclusiva do Estado. A Umanizzare informou que a transição terá como foco a segurança social e dos presos, para que não ocorra interrupção abrupta dos serviços. Neste período de transição a CPPP terá 43 profissionais da Umanizzare.

    Superlotação e problemas administrativos

    A Casa de Prisão Provisória de Palmas é um dos maiores presídios do Tocantins. Ela tem capacidade para 280 presos e atualmente tem mais de 700 detentos. Em junho, o presídio sofreu uma intervenção parcial em função da superlotação.

    Recentemente, o comando da Secretaria de Cidadania e Justiça foi trocado no Tocantins. Ao G1, a antiga responsável pela pasta, Gleidy Braga, afirmou que estava saindo porque discordava do governo a respeito do cumprimento de algumas medidas judiciais relacionadas com a administração da própria CPP e a contratação de funcionários temporários em algumas unidades. O governo do estado anunciou que a pasta ficaria sob o comando do coronel Glauber de Oliveira Santos, que chefiava a Polícia Militar.

    Por G1 Tocantins


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS