Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    29/11/2017

    Legado de Reinaldo Azambuja será governo municipalista, diz secretário

    De acordo com Marcelo Miglioli, obras levam transformação para os 79 municípios de MS 

    Pavimentação: Governo investe na infraestrutura dos municípios. (Fotos: Chico Ribeiro) 
    Ao fazer um balanço do volume de obras executadas e em andamento no Estado em três anos, o secretário estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, afirmou que o grande legado que o governo de Reinaldo Azambuja (PSDB) deixará, ao final de sua gestão, será o investimento que contempla e transforma os 79 municípios de Mato Grosso do Sul.

    “O Reinaldo é o único governador do Estado que pode dizer com orgulho: eu estou administrando para todos os sul-mato-grossenses”, destacou Miglioli. “Isso é um fato, não é conversa, promessa, é realização”, acrescentou. “Num momento de grave crise nacional, somos um Estado com as contas equilibradas e investindo em infraestrutura, nas pessoas, porque este é um governo que tem metas e honra compromissos.”

    Miglioli destacou a seriedade da gestão municipalista de Reinaldo Azambuja, que não se resume em destinar investimentos aos municípios. “As obras são pactuadas com os prefeitos e os vereadores, todos são ouvidos. Assim, o governo tem a certeza de estar atendendo aos anseios da população daquele município”, citou.
    Polos de produção: Estado pavimenta a estrada da água fria Maracaju e Nioaque.
    Capacidade de investimento 

    “Há uma integração do Estado com os municípios – completou ele -, e o governador não faz promessa que não pode cumprir. Obra lançada tem orçamento garantido e previsão orçamentária para sua execução.”

    Para o secretário, Mato Grosso do Sul “tem sido um ponto fora da curva das estatísticas que apontam a agonia financeira da maioria dos estados” porque o governador Reinaldo Azambuja tomou medidas impopulares e necessárias para reduzir gastos, no início da gestão, como a reforma administrativa, antecipando-se a queda da receita gerada pela crise econômica.

    “Além do fato de gastar apenas o que arrecada, o Estado manteve sua capacidade de investimentos importantes em todos os 79 municípios, com o governo cumprindo seu programa de quatro anos”, pontuou Miglioli, em entrevista ao “MS no Rádio”.

    Parceria da bancada federal

    Segundo o secretário, a eficiência da administração estadual para superar as dificuldades financeiras e atender as demandas da população, como saúde, educação, segurança e habitação, se deve, também, “a parceria inteligente e saudável” com a bancada federal e com o governo federal, citando os recursos canalizados via Funasa e Caixa Econômica.

    Com a manutenção do ritmo de desenvolvimento e com os investimentos sobretudo em infraestrutura, na sua avaliação, o governo de Reinaldo Azambuja garantiu a confiança do empresariado e atraiu grandes indústrias, que hoje geram índices positivos de empregos, sustentam o PIB e diversificam a economia regional.
    Saúde: Estado amplia rede hospitalar no interior com hospital de Três Lagoas
    O secretário conversa com morador de Bonito. Foto: Chico Ribeiro
    Obra com concepção técnica

    Na entrevista, Marcelo Miglioli também falou das dificuldades técnicas e burocráticas enfrentadas no início da gestão, em janeiro de 2015, com o grande volume de obras inacabadas – mais de 200 – e projetos e contratos mal elaborados. Citou, como exemplo, os hospitais de Três Lagoas e Dourados, cujos projetos foram refeitos pela atual gestão.

    “Hoje, todas as obras, independente do valor e importância, têm projeto executivo. O País não suporta mais gastar dinheiro em maus projetos de engenharia”, frisou. “Uma obra com concepção técnica minimiza riscos de se entregar à população um serviço mal feito, e o modelo implantado em nosso governo é um diferencial para o País.”

    Por: Marta Ferreira


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS