Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 14 de novembro de 2017

    Defesa diz desconhecer motivo de operação contra André Puccinelli

    Ex-governador foi levado para Polícia Federal durante a 5ª fase da Operação Lama Asfáltica

    Advogado de Puccinelli, Renê Siufi © Reprodução Vídeo
    Renê Siufi, advogado do ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), afirma que desconhece o motivo da investigação de hoje e se há mandado de prisão contra seu cliente.

    Nesta terça-feira (14), PF (Polícia Federal), CGU (Controladoria-Geral da União) e Receita Federal cumprem mandados referentes à quinta fase da Operação Lama Asfáltica, batizada de Papiros de Lama.

    Puccinelli foi levado para sede da Polícia Federal por volta das 8h15, depois de policiais terem vasculhado seu apartamento, localizado na rua Euclides Cunha.

    "Eu não sei se tem prisão contra ele. Vou saber agora", disse brevemente Siufi à imprensa. Ainda de acordo com o advogado, os policiais não levaram nenhum documento da casa do ex-governador. "Não pegaram nada. Já vieram duas vezes aqui".

    Renê afirmou que vai entrar com habeas corpus imediatamente, caso seja confirmada prisão do ex-chefe do Executivo Estadual. Conforme a defesa, foi com surpresa que André Puccinelli recebeu os policiais.

    Uma coletiva às 10 horas na sede da PF deve explicar os detalhes da atual fase. Por enquanto, o que se sabe é que a apuração apontou R$ 235 milhões de prejuízo, entre desvios e pagamento de propina.

    São cumpridos dois mandados de prisão, seis de condução coercitiva, 24 mandados de busca e apreensão, além do sequestro de valores nas contas bancárias de pessoas físicas e empresas investigadas.

    Além de Puccinelli, o filho, André Puccinelli Junior, é alvo da investigação. Ele também foi levado para Polícia Federal.

    A reportagem também apurou que há policiais na casa de João Amorim, empreiteiro já conhecido e alvo de outras investigações da Lama Asfáltica.

    Confira no vídeo abaixo:



    Fonte: campograndenews
    por: Mayara Bueno e Viviane Oliveira


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS