Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 10 de novembro de 2017

    Com saída de Kayatt, Enelvo aguarda trâmites para tomar posse na ALMS

    Agraer será mais um órgão que ficará sem titular

    © Divulgação
    A indicação dos nomes dos tucanos Márcio Monteiro e Flávio Kayatt vai provocar mudanças no primeiro e segundo escalão da gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB), e também na Assembleia Legislativa, já que o atual diretor-presidente da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), Enelvo Felini (PSDB), deve ser convocado, nos próximos dias, para assumir uma cadeira na Casa.

    Com a saída do agora ex-deputado Flávio Kayatt, Enelvo será convocado pela Mesa Diretora da Assembleia para assumir a cadeira, e ele já garantiu que está pronto para assumir o mandato parlamentar.

    “Eu vou me apresentar na Assembleia. Agraer me cativou muito, gostei de trabalhar, dentro da área que tenho noção, mas eu seria um cara injusto já que concorri a deputado, surge a vaga e não vou. Tenho que ir e estou pronto para assumir”, disse Felini.

    A saída de Enelvo, ex-prefeito de Sidrolândia, abrirá mais um espaço no governo de Azambuja, que ainda não revelou quem substituirá Monteiro e o próprio Felini.

    Ainda diretor da Agraer, o ex-prefeito disse que conversou com o governador há cerca de 10 dias, onde discutiram a possibilidade das mudanças, mas não chegaram a tratar de seu substituto na Agência. Segundo ele, a decisão sobre seu sucessor será tomada entre o secretário Jaime Verruck, do Meio Ambiente e Desenvolvimento, com o próprio Reinaldo.

    Ao analisar seus quase três anos à frente da Agência de Extensão Rural, Felini afirma que a órgão recebeu ‘boa atenção’ do governo.

    “Recebi uma agência com quadro técnico muito qualificado, mas com pouco investimento em cima da empresa, não tinha bom espaço dentro do governo. Hoje tem boa visibilidade, a equipe é muito dinâmica, entusiasmada, tem grande participação com produtor rural, na atividade classista e desperta olhar carinhoso da sociedade”, finalizou.

    Fonte: Midiamax
    Por: Ludyney Moura


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS