Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    28/11/2017

    Após 3h de cirurgia, órgãos de jovem atropelado são transportados para SP

    Coração foi retirado às 10h50

    © Divulgação
    Os órgãos do jovem Lucas Henrique Souza Mateus já estão a caminho de São Paulo. A cirurgia teve início às 8h40 desta terça-feira (28). Às 10h50 o coração já teria sido retirado, e o procedimento para retirada dos demais órgãos terminou pouco antes das 12h. Antes das 13h os jatos disponibilizados para traslado já teriam saído da Capital.

    Segundo informações, o coração, fígado e um dos rins estão sendo enviados para São Paulo. As córneas ficaram no banco da Santa Casa, e o segundo rim será transplantado em uma mulher que mora em Campo Grande.

    De acordo com o cirurgião do Incor-SP, Rodrigo Honorato equipes da PM (Policia Militar) estão mobilizadas para ajudar no traslado dos órgãos na capital paulista. "A PM de São Paulo está toda organizada para organizar o trânsito. Só do aeroporto ao hospital geralmente gasta-se uma hora e não temos esse tempo. O coração deve ser implantado em no máximo quatro horas".

    "Para esse serviço estão envolvidas de 50 a 60 pessoas de MS, SP e Brasília. Todos trabalhando desde as 23 horas de ontem", ressaltou.

    Ainda segundo o médico, o paciente que receberá o coração tem 50 anos. Ele seria prioridade pelo risco de morte. "O receptor é um homem de 50 anos que foi colocado em prioridade porque corre risco iminente de morrer. Ele faz tratamento com medicamentos e sobrevive por isso", explicou

    Para o médico o procedimento não seria possível se a família não tivesse o entendimento da importância do ato. “Se a família não tivesse esse gesto de bondade e amor ao próximo, mesmo nesse momento de dor, nada disso seria possível”, disse.

    O cirurgião ressaltou ainda que se existissem condições melhores para procedimentos de transplantes cerca de 50% as pessoas que morrem esperando por doação de órgãos seriam salvas. “Essa mobilização toda tem um custo alto. Se fosse as condições fossem melhores mais órgãos poderiam ser doados”, concluiu.

    O caso

    Lucas teve a morte cerebral atestada nesta segunda-feira (27), na Santa Casa de Campo Grande. Ele estava internado no CTI (Centro de Terapia Intensiva), com hemorragia cerebral, fratura no tórax e no fêmur.

    O atropelamento aconteceu na madrugada de sábado (24), quando o estudante de medicina voltava de uma festa de encerramento do curso. O impacto jogou Lucas para cima do para-brisa do carro do universitário.

    Fonte: Midiamax
    por: Ana Paula Chuva e Clayton Neves


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS