Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 3 de outubro de 2017

    TRÊS LAGOAS| Cerimônia na Câmara abre campanha “Outubro Rosa”

    Com palestra do mastologista Luiz Zucca e depoimento da supervivente Jussara Del Moral, evento levantou diversos aspectos sobre o câncer de mama

    Dr. Luiz Zucca © Divulgação
    Na noite de segunda-feira (02), a Casa do Povo sediou a abertura da campanha “Outubro Rosa”, em parceria com a Prefeitura. A cerimônia buscou conscientizar e alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.
    © Divulgação
    A mesa da solenidade foi composta pela vereadora Sirlene, propositora do evento, Angelina Zuque, secretária de Saúde Pública, doutor José Márcio Barros Figueiredo, diretor clínico do Instituto do Câncer de Três Lagoas, Conceição Maria de Lourdes Nery Palhares, presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer, Marco Antônio Calderon de Moura, administrador do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, e pelos vereadores Cristina e Davis Martinelli.
    © Divulgação
    O administrador do HNSA falou um pouco sobre a origem do Outubro Rosa, que surgiu nos Estados Unidos, e concluiu sua fala com um alerta: "é uma situação que parece controlada, mas temos que fazer momentos como este para conscientizar a população". Lourdes Palhares destacou que o município está preparado para acolher pacientes com câncer.
    © Divulgação
    "O câncer tem cura sim, desde que diagnosticado com antecedência. Por isso, a prevenção é o melhor remédio", concluiu Lourdes, que teve seu pensamento complementado pelo diretor clínico do ICTL: "a prevenção, além disso, é muito mais econômica do que o tratamento". Angelina Zuque destacou que a rede pública de saúde está aberta e atuante na prevenção do câncer de mama. A vereadora Sirlene destacou que é possível amenizar o impacto que a doença causa na sociedade com a prevenção.

    Apoio psicológico

    Antes de iniciar a palestra, foram convidados os estudantes de psicologia Cícera Aparecida Pinheiros de Campos e Fúlvio Catamante Ribeiro, que estão no 7º período na AEMS e atuam na Rede Feminina, para falarem sobre a importância do acompanhamento psicológico para pacientes oncológicos.

    © Divulgação
    Cícera falou sobre o momento que as pacientes com câncer de mama enfrentam. "Vivo na prática esse acolhimento que fazem na Rede. A prevenção é muito importante, e cuidar de quem está passando por essa situação também", destacou.

    Fúlvio ressaltou que os envolvidos, como familiares e cuidadores, também precisam de ajuda, de atenção. "Se você está num momento de equilíbrio, sabe lidar com as adversidades da vida de uma forma; se não está, vai lidar de outra forma", explicou.

    Ambos declararam que as portas da Clínica da AEMS estão abertas para toda a comunidade que deseja se informar sobre o assunto.

    © Divulgação
    O câncer de mama

    A palestra foi proferida pelo doutor Luiz Otávio Zucca, que é médico mastologista no ICTL e na Prefeitura. Possui graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina de Catanduva e residência médica em Mastologia pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto. É membro titular da Sociedade Brasileira de Mastologia e especialista em reconstrução mamária pelo Hospital das Clínicas de Porto Alegre.

    Zucca começou falando sobre a origem da mastologia. “Antes, apenas pensavam em retirar a mama, como se estivessem retirando o causador do problema. A partir de 1930, começaram a pensar em novos tratamentos. Com o passar do tempo e a evolução tecnológica, os tratamentos ficaram cada vez menos agressivos, tanto física quanto psicologicamente. Até chegar na oncoplastia, considerado o melhor tratamento. Melhoramos as técnicas para que as pacientes vivam mais e melhor”, relatou.

    Apresentando dados sobre o câncer de mama, Zucca ressaltou a importância da prevenção: "não existe uma causa única, por isso, devemos sempre incentivar a prevenção, procurando fazer a mamografia nos períodos corretos e o toque nas mamas constante, pelo menos uma vez por mês, para que o diagnóstico seja precoce”.

    Outros sinais ou sintomas para serem investigados: pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja; dor na mama; alterações no mamilo; pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço; e saída de líquido anormal das mamas.

    Uma SuperVivente

    Após a palestra, Jussara Del Moral, criadora do canal SuperVivente, no Youtube, deu um depoimento sobre a doença. Ela foi diagnosticada com a doença em 2007. Desde então, passou por diversos tratamentos, apresentando recorrentes metástases.

    Com um alto astral contagiante, a supervivente contou um pouco sobre sua vida, demonstrando que é possível sim viver e se tratar do câncer com qualidade de vida e auto-estima. Usando uma tira do Snoopy, demonstrou o porquê não pode se deixar abater pela doença: “um dia vamos morrer, mas em todos os outros devemos viver”.

    A receita para se ter alegria, segundo ela: aceitação da doença, informações sobre a doença (sem acreditar em tudo no "Dr. Google") e ter atitude (não ficar esperando a doença consumir). Comicamente, Jussara também deu algumas dicas de como se comportar ao lado de um paciente com câncer, como dizer de conhecidos que já morreram ou perguntar como adquiriu o câncer de mama, insinuando que a pessoa não se cuidou para tê-lo.

    Serviço

    Para acompanhar a vida e história da supervivente, confira suas redes sociais: www.youtube.com/c/SuperVivente, www.facebook.com/SuperVivente e www.instagram.com/supervivente.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS