Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    25/10/2017

    Câmara vota hoje 2ª denúncia contra Temer; base vê 'vitória' e oposição tenta adiamento

    Deputados votam nesta quarta se autorizam STF a processar Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Denúncia só terá prosseguimento se tiver aval de ao menos 342 deputados.

    Em clima de “certeza da vitória” entre deputados da base aliada, a Câmara tem sessão de plenário nesta quarta-feira (25) para votar a denúncia contra o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).
    Oposicionistas reconhecem que será difícil impor uma derrota ao presidente, e contam com a estratégia de não marcar presença em plenário para tentar adiar a votação.

    As acusações da Procuradoria Geral da República envolvem os crimes obstrução de Justiça e organização criminosa.

    Cabe à Câmara, em sessão marcada para começar às 9h, autorizar o Supremo Tribunal Federal (STF) a decidir sobre eventual abertura de processo.

    Clima de 'vitória'

    Um dos principais aliados de Temer, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) diz estar confiante na vitória, inclusive com ampliação do placar registrado na primeira denúncia, por corrupção passiva, quando 263 deputados votaram pelo arquivamento das acusações.

    “É um clima de certeza da vitória. Temos a expectativa de que vamos fazer mais votos que na outra denúncia”, disse.

    Responsável por elaborar planilhas com mapeamentos de votos, o vice-líder do governo na Câmara Beto Mansur (PRB-SP) estima que o governo terá entre 260 e 270 deputados se posicionando contra a denúncia.

    As acusações só terão prosseguimento no Poder Judiciário se receberem o aval de ao menos 342 dos 513 deputados. Sendo assim, se o número de votos pela rejeição da denúncia chegar a 172, o processo não terá andamento.

    Estratégia da oposição

    Na avaliação do deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), é “muitíssimo difícil” que a oposição consiga alcançar os 342 votos pela autorização da denúncia. Ele, porém, diz que ainda tem esperança em uma reversão de resultado.

    “Eu avalio que não é impossível o governo perder, ainda que seja muitíssimo difícil termos os 342 votos”, disse.

    Para líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP), há uma tendência de que o governo ganhe essa votação. Ainda assim, a oposição fará uma tentativa de reduzir o número de votos da base aliada para gerar um impacto em pautas futuras do Palácio do Planalto, como a reforma da Previdência.

    “A gente sabe que o governo tem a tendência de conseguir os 172 votos. Mas queremos mostrar que governo não tem condição de governar, tem uma dificuldade muito grande de levar adiante as suas propostas”, disse.

    Obstrução

    Em linha com o que tentaram fazer na primeira denúncia, os oposicionistas anunciaram que não vão marcar presença em plenário enquanto o governo não atingir o quórum de 342 deputados registrados. Somente com esse número será possível colocar a denúncia em votação.

    A ideia dos deputados da oposição é adiar ao máximo a votação. Segundo eles, se não conseguirem que a votação passe para outro dia, vão ao menos fazer a sessão se alongar até o início da noite desta quarta, quando deve haver maior audiência de brasileiros acompanhando o resultado.

    De acordo com o colunista do G1 Gerson Camarotti, em uma reunião secreta com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os oposicionistas comunicaram que têm mais de 200 deputados dispostos a não marcarem presença e, com isso, adiar a votação.

    Articulações

    Temer aproveitou esta terça-feira, véspera de votação, para continuar articulando votos para barrar a denúncia.

    Durante o dia ele recebeu no Palácio do Planalto 16 deputados, por exemplo.

    À noite, o presidente se dirigiu à residência do vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (PMDB-MG), onde jantou com deputados e ministros.

    Por Bernardo Caram, G1, Brasília


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS