Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    20/09/2017

    TRÊS LAGOAS| Saúde promove panfletagem de orientações e prevenção ao suicídio

    É a Campanha “Setembro Amarelo”, com a participação das equipes do CAPS AD, CAPS II, Promoção à Saúde e DANTS 

    © Divulgação
    A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio da Diretoria de Vigilância e Saneamento e numa ação conjunta das equipes dos CAPS AD e CAPS II (Centro de Atenção Psicossocial), Promoção à Saúde e DANTS – Doenças e Agravos Não Transmissíveis, vem participando da Campanha “Setembro Amarelo”, de prevenção ao suicídio e valorização da vida. As ações conjuntas da SMS começaram na terça-feira (19) e vão estender-se até sexta-feira (22).

    Na noite desta quarta-feira (20) será feita uma ação de panfletagem, numa abordagem direta à população, que frequenta a Feira Noturna, a partir das 19h.

    Como antecipou a coordenadora do CAPS II, enfermeira Patricia Azambuja, junto com a distribuição de material educativo sobre suicídio e valorização da vida, o pessoal da Saúde estará orientando as pessoas sobre o suicídio e tentativas e, principalmente, “sobre prevenção e valorização da vida, cuidados e atenção que devemos ter nessas situações e como podemos encaminhar essas pessoas ao tratamento e ajuda que precisam”.
    © Divulgação
    Essa também foi a base da palestra, proferida pelo médico psiquiatra do CAPS II, Éder Caloi, às famílias do Bairro Vila Verde e Jardim Maristela, na noite de terça-feira (19), na Igreja Santo Expedito.

    O psiquiatra concentrou sua fala e orientações às famílias, principalmente, sobre prevenção ao suicídio, sinais de alerta, faixa etária mais vulnerável a essas práticas e onde procurar ajuda na Saúde.

    Esta ação da Campanha “Setembro Amarelo”, de prevenção ao suicídio e valorização da vida, na Igreja Santo Expedito, onde foram distribuídos balões e lacinhos amarelos, contou com o apoio da equipe da unidade de Estratégia de Saúde da Família – ESF Jardim Maristela, CAPS II, CAPS AD, Promoção à Saúde e DANTS.
    © Divulgação
    A mesma ação de palestra, orientações e distribuição de panfletos foi realizada no Posto de Fiscalização da Secretaria Estadual da Fazenda na entrada da Cidade, na Avenida Ranulpho Marques Leal (início do trecho do perímetro urbano da BR-262).

    ACOLHIMENTO NO CAPS II

    A Unidade do CAPS – II, instalada num imóvel alugado pela Prefeitura de Três Lagoas, na esquina da Avenida Eloy Chaves com a Rua Zuleide Peres Tabox, no Centro, possui equipe devidamente preparada para acolhimento, ajuda e tratamento, como explicou a coordenadora Patrícia.

    “Quando sabemos de alguém que manifesta pensar em acabar com a própria vida, deseja sumir, quer desaparecer, não tem mais vontade de viver, ou até mesmo, conta o que quer fazer para se matar, temos que dar atenção especial a essas pessoas, escutá-las com paciência e carinho, porque precisam da gente”, orientou Patrícia.

    Como informou a coordenadora, “nossa equipe do CAPS II está aqui para isso, para acolhimento dessas pessoas, de terça-feira a sexta-feira, no período das 8h às 12h. Escute o seu amigo, a sua amiga, parente ou não, e convença-o a procurar ajuda, sem precisar de encaminhamento. Estamos aqui para receber e ouvir essas pessoas”.
    © Divulgação
    Junto com a equipe do CAPS II e do CAPS AD, a Saúde de Três Lagoas também oferece à população os serviços da equipe da Clínica da Criança com atendimento psicológico de crianças e adolescentes de até 16 anos, e também conta com a parceria de atendimento da equipe de profissionais do Centro de Especialidades Psicológicas da AEMS (CEPA), como lembrou o psicólogo Igor Queiroz, da equipe do CAPS II.

    “Está prestes também a se instalar em Três Lagoas o CVV – Centro de Valorização da Vida, pelo telefone 188. Em Campo Grande, esse serviço de atendimento 24h tem sido muito eficiente”, informou Igor.

    Como explicou a terapeuta ocupacional, Lígia Zílio Lima, também do CAPS II, infelizmente, apenas 10% das pessoas que apresentam maior parte dos fatores de “ideação do suicídio” procuram ajuda.

    Lígia explicou que, nesses casos, a capacidade que temos de suportar as dores físicas não se iguala à capacidade e força que se tornam necessárias para superar as dores psíquicas e emocionais.

    “O suicida não tem intenção de acabar com a própria vida, mas dar um fim à dor que sente por uma série de razões e motivos que a vida lhe trouxe, por isso que vive repetindo: quero acabar com a minha dor, não suporto mais essa dor”, resumiu a terapeuta ocupacional do CAPS.

    Por isso, como bem observou a equipe do CAPS II, “é extremamente necessário que as pessoas procurem e encontrem ajuda, para que possam reencontrar os pontos de apoio que não conseguem mais enxergar” e que todo o ser humano tanto precisa na vida, ou seja, a família, os amigos, a sociedade, as pessoas de bem.

    Nos primeiros seis meses de 2017, foram notificados 53 casos de tentativas e três casos de suicídio. Em 2016, houve o mesmo número de tentativas que resultaram em seis casos de morte. Tanto em 2016, como no primeiro semestre de 2017, maioria dos casos notificados envolve meninas e mulheres dos 15 aos 29 anos de idade.

    Esses dados foram informados pelo Setor de Vigilância Epidemiológica das DANTS, vinculado à Diretoria de Vigilância e Saneamento da SMS de Três Lagoas.

    A proposta da Campanha “Setembro Amarelo” surgiu em 2014 por iniciativa do pessoal do CVV, com o apoio e participação do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS