Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sábado, 9 de setembro de 2017

    PM mata vizinho após briga em grupo de WhatsApp

    A mulher o filho de 3 meses da vítima estavam no apartamento no momento do crime

    © iStock
    Um policial militar reformado matou um analista financeiro após uma briga com o vizinho em um grupo formado por moradores no WhatsApp. A vítima, identificada como Adilson Santana Silva, 36 anos, foi assassinada a tiros por José Arimatéia Costa, 58. O crime aconteceu na última quinta-feira (7), em Samambaia, no Distrito Federal. O suspeito teve a prisão decretada pela Justiça no fim dessa sexta-feira (8), no entanto, está foragido. As informações são do Correio 24 horas.

    O PM iniciou a briga acusando a vítima de ter cuspido na janela dele. "Ô sem noção, que mora no 1803-A quando escovar seus dentes, vê se não cospe a meleca na casa dos outros, eu moro aqui no 1703-A e vir essa sujeira que cospiram lá de cima [sic]", escreveu. Em resposta à acusação, o vizinho negou ser autor do cuspe por mensagem e, em seguida enviou um áudio para resolver a situação pessoalmente.

    "Meu amigo, tu tá ficando maluco, falando merda. Primeiro, olhe essa merda para depois falar. Me respeite, que educação eu tenho. Não vou escovar porra de dente em varanda. Olha sua porra direito, não fale merda que você não sabe", escreveu. Já no áudio, ele até convida o PM para uma conversa. "Meu irmão, você tá a fim de resolver sua porra, você venha pra cá e fale, tá bom? Não venha pra cá botar porra de grupo. Você não sabe o que tá falando, não. Suba aqui pra gente conversar", diz na gravação.

    Após o áudio, o policial foi ao apartamento da vítima. Vizinhos escutaram barulhos de tiros. Uma testemunha afirmou que os dois chegaram a entrar em luta corporal e, minuto depois, efetuou os disparos. A mulher e o filho de 3 meses de Adilson presenciaram o crime. "Já acionei o 190 aqui para chamar a polícia. Mas foi um negócio, assim, violento, e eu vi na hora que ele disparou a arma", escreveu a vizinha no grupo do WhatsApp.

    Fonte: NAOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS