Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 12 de setembro de 2017

    PARANAÍBA| Após dois anos, frigorífico reativa atividades e contrata 600 funcionários

    Funcionários voltaram ao trabalho ontem (11), no Marfrig, em Paranaíba. (Foto: Semagro/ Divulgação)
    Dois anos depois de fechar as portas, o frigorífico Marfrig em Paranaíba, distante 422 km de Campo Grande, reativou as atividades ontem (11), gerando 600 empregos. A unidade vai começar a abater 100 cabeças de bovinos por dia.

    Em julho de 2015, Marfrig encerrava as atividades e demitia 530 funcionários. Na época, era uma das 16 empresas do segmento que fechava as portas, por causa da falta de demanda. Quando anunciou o fechamento, o grupo Total S.A, que arrendou a planta ao Marfrig, retomou os abates, mas um ano depois, também fechou as portas e demitiu 288 trabalhadores. 

    Nesta segunda-feira, os funcionários uniformizados estiveram presentes na cerimônia de reabertura que teve a presença do CEO do Grupo Marfrig Global Foods, Martins Secco.

    Segundo Secco, a reativação da planta foi um momento de felicidade. “Sem funcionários e pecuaristas a empresa não tem sentido”, resumiu.

    Para o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, os incentivos fiscais concedidos à empresa retornam à sociedade em forma de empregos. “Reabrir um frigorífico nesse cenário é um fato muito importante. Para Paranaíba nós tínhamos a preocupação em gerar empregos. E para o produtor rural uma opção de vender o seu boi aqui no município. Temos certeza que, dados aos incentivos que foram concedidos, o frigorífico vai ampliar suas atividades e chegar logo, logo à plena capacidade”, afirmou.
    Unidade em Paranaíba tem capacidade de abater 630 cabeças por dia. (Foto: Jornal Tribuna Livre)
    O próximo passo, é recredenciar a planta para exportar carne. Antes de paralisar as atividades, em 2015, a unidade do Marfrig de Paranaíba vendia para a China, Hong Kong e Rússia.

    A capacidade diária de abate de 630 cabeças será alcançada gradativamente, assegura o gerente administrativo da empresa, Marcos Costa. Por enquanto, “até para testar os equipamentos”, serão abatidos 100 animais por dia.

    Segundo o prefeito de Paranaíba, Ronaldo Miziara (PSDB), mais de 90% do quadro atual de funcionários é composto por antigos trabalhadores que ficaram desempregados quando a planta foi fechada, na época arrendada pelo grupo Total S.A. “Nós fizemos nossa parte, o governo deu todo apoio possível, a Marfrig fez o investimento necessário. Agora cabe a cada trabalhador defender seu emprego atuando de maneira comprometida”.

    Além da unidade de Paranaíba, o grupo mantém em atividade em Porto Murtinho. Recentemente confirmou a reabertura das unidades de Ji-Paraná, Rondônia e Alegrete, Rio Grande do Sul, elevando para 16 o número de plantas em atividade em todo Brasil.

    Fonte: campograndenews
    Por: Renata Volpe Haddad


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS