Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 6 de setembro de 2017

    Para Dr. Paulo Siufi, fechamento da Psiquiatria da Santa Casa irá gerar mais um caos na saúde

    © Divulgação
    A pedido do deputado Dr. Paulo Siufi, médicos, residentes e funcionários da Santa Casa de Campo Grande e profissionais de saúde estiveram na sessão parlamentar desta quarta-feira, 6, na Assembleia Legislativa. A intenção foi solicitar o apoio dos deputados estaduais para impedir o fechamento da ala psiquiátrica do hospital.

    O psiquiatra da Santa Casa, Beverly Martinez, informou que o fechamento da ala irá comprometer o atendimento ambulatorial e os pacientes internados, além do quadro funcional do local, que conta com nove médicos, nove residentes, um estagiário e 13 técnicos. Como uma das alegações da entidade para o encerramento dos serviços psiquiátricos é a questão financeira, o psiquiatra contou que os profissionais apresentaram uma proposta de redução dos custos para a Diretoria.

    Para o médico, a oportunidade oferecida pelo deputado Dr. Paulo Siufi de dar voz aos profissionais da Santa Casa na Assembleia é muito importante para auxiliar na busca de subsídios para os problemas enfrentados pela instituição. “O deputado Dr. Paulo Siufi representa um grande apoio das políticas públicas, que é a única forma da Psiquiatria se manter ativa, porque ela foca na prevenção e na manutenção da qualidade de vida. Só com uma parceria com os poderes e setores públicos que conseguiremos transformar a psiquiatria em algo rentável, fazendo com que os gestores queiram investir nela”.

    O profissional informou ainda que seria uma involução no atendimento transferir os dez leitos para o Hospital Psiquiátrico Nosso Lar. “Os leitos dentro de hospitais gerais é o que existe de mais moderno para o tratamento psiquiátrico. Transferir esses pacientes para o Nosso Lar seria, com todo o respeito ao trabalho deles, um retrocesso”.

    De acordo com o psiquiatra Luiz Salvador de Miranda Sá, fundador da ala psiquiátrica da Santa Casa e chefe do setor desde 1968, a notícia da extinção das vagas manicomiais foi recebida por ele com muita estranheza. “Eles querem lucro, mas a Santa Casa é beneficente e não tem que ter lucro. Ver fecharem o setor não é só muito triste, é também desanimador, porque o que me espanta é a desumanidade com que estão tratando disso”, declarou.

    Presidente da Comissão Permanente de Saúde, o deputado estadual e médico Dr. Paulo Siufi utilizou a tribuna para posicionar-se contrário ao fechamento da ala psiquiátrica da Santa Casa, que é responsável pelo atendimento dos doentes mentais de Campo Grande e de todo o Estado. “Não podemos simplesmente aceitar que fechem as portas de um serviço tão importante como é oferecido pela Santa Casa e fique por isso mesmo, porque muitas pessoas dependem daquele serviço, tanto do ambulatório como dos leitos de internação. E se isso acontecer, será um caos, porque hoje Mato Grosso do Sul tem inúmeros casos de psiquiatria que dependem da Santa Casa”.

    O deputado lembrou ainda que não existe um planejamento externo para abrigar esses pacientes. “Vamos marcar uma reunião com a Direção da Santa Casa para exigirmos um detalhamento. Eles têm que nos explicar a razão da extinção do setor, até porque eles recebem recursos municipais, estaduais e federais para manterem o atendimento à população que mais necessita”, afirmou Dr. Paulo Siufi.

    No período da tarde, o deputado e uma comissão formada por profissionais da Santa Casa e da Defensoria Pública estiveram no Ministério Público Estadual cobrando um posicionamento do órgão. “O Ministério Público pode tomar uma ação imediata sobre o caso, indicando, orientando ou até solicitando à Santa Casa que reverta essa decisão. Também ão podemos descartar uma ação na Justiça contra o hospital”, finalizou o deputado Dr. Paulo Siufi.


    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS