Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    18/09/2017

    LÍNGUA PORTUGUESA - Professor Fernando Marques


    Dicas de português

    Erronias gramaticais e formas corretas. Exemplos:

    Assim - do latim ad sic. pode ser advérbio, conjunção ou locução adverbial. 
    Exemplos:
    Como advérbio:
    Nunca agiria assim (deste ou desse modo, desta forma).
    Você é uma mulher fascinante! Nunca imaginei encontrar alguém assim!
    Como conjunção:  
    Você está equivocada; não deve, assim, agir agora!
    Como locução adverbial:
    Sabia como derrubar o valentão, mesmo assim permaneceu sentado.
    Considerando a formas de exceção, o vocábulo assim pode ser adjetivo invariável. Exemplos:
    Gostaria que o meu apartamento fosse assim! (semelhante, parecido, igual, desta forma, com essas características, bem assim).

    As pessoas que não são adstritas às regras gramaticais ou que não gostam da leitura, são as principais    vítimas de cacoetes linguísticos. Trata-se de “moletas” ou vícios linguísticos que afetam terrivelmente a “boa imagem” dos desavisados falantes, tornando-os insistentes e desagradáveis, enquanto incomodam os pacientes ouvintes que, por questão de sapiência e de elevada educação, ouvem fingindo aceitar as incoerentes e desastrosas expressões da fala do despreparado ou da despreparada interlocutora!  Nos casos mais graves, as aberrações linguísticas ficam registradas forma na escrita.
    A palavra assim passou a ser empregada como uma das peças dos cacoetes de linguagem mais encontrados na modalidade oral, integrando um rol de besteirol que incomoda àqueles que tentam não fazer parte da grande massa que se vincula à inutilidade da comunicação vulgarizada.

    Exemplos de cacoetes de linguagem:
    Assim, tipo!
    Disse assim!
    Falou assim!
    Mas, assim!
    Penso assim, que...  
    Só que assim!  
    Tipo assim!
    Vejo assim!

    Assinar - quem assina algum documento, evidentemente, assina na parte inferior, ou seja, logo depois do elemento final do texto.  Quando se rubrica o documento, a rubrica e não rúbrica deverá ocorrer na parte inferior, lateral, na folha ou nas folhas (da primeira à penúltima).
    Corretamente, no local da assinatura não deverá haver a linha indicativa, salvo quando se tratar de assinante semialfetizado. 

    Assinatura na parte superior do documento, descaracteriza o valor do escrito; não atribui valor jurídico ao texto. Portanto, é razoável dizer: "O que você afirma, eu assino".
    Quem afirma assinar em baixo, identifica-se como uma das pessoas que não entendem de gramática portuguesa. Assim, diz bobagem quem diz: “Tudo o meu amigo disser, eu assino em baixo”.
    Quem quiser prestigiar ou enaltecer alguém, poderá dizer simplesmente: o diz ou faz, eu assino.  


    Continua na próxima semana!



    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS