Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 11 de setembro de 2017

    LÍNGUA PORTUGUESA - Professor Fernando Marques


    Dicas de português


    Alternativa é uma palavra substantiva formada pela desinência alter que significa outra, dando a conotação de opção entre duas ideias, duas coisas, duas pessoas. Assim, não se pode dizer ou grafar a palavra alternativa com a palavra outra, porque ocorrerá a obviedade; a redundância ou pleonasmo.  
    São exemplos de erronias:
    Não havia outra alternativa.
    Temos que encontrar outra alternativa.
    Agiu daquela forma porque não teve outras alternativas.
    Expressões corretas:
    Não havia alternativa.
    Temos que encontrar alternativa.
    Agiu daquela forma porque não teve alternativas.
    Todas as alternativas são corretas.
    Nenhuma alternativa é válida.
    Ainda:
    O termo opção indica o ato de optar; da livre escolha; do ato ou faculdade de optar; daquilo por que se opta; possibilidade. Desta forma, também se dizer ou grafar: 
    Não havia outra opção.
    Temos que encontrar outra possibilidade.
    Agiu daquela forma porque não teve outra escolha.
    Todas as opções são corretas.
    Nenhuma opção é válida.

    Ao encontro de - implica ideia de favorecimento, anuência, concordância, em benefício de, conforme, de acordo, para junto de; em atendimento a, em favor de. Assim, erra que utiliza expressões como:
    O acidente foi causado pelo caminhão que veio ao encontro da caminhoneta.
     A frase acima será correta se for utilizada com a expressão de encontro a que implica ideia de oposição, desfavorecimento; discordância, em prejuízo de; contrário a; choque; contra, repulsa; discórdia. Assim, a frase deveria ser: o acidente foi causado pelo caminhão que veio de encontro à caminhoneta.
      
    Exemplos de erros:
    Disse um parlamentar, advogado, engenheiro, compositor, bajulador, cantor, professor, amigo do dinheiro público: “Todos os projetos aprovados por nossa bancada, sempre foram aqueles que vão de encontro aos anseios da nossa sociedade.”
    Ao proferir mais um alienante sermão, na sua próspera igreja, o famoso líder religioso bradou: “Vem Espírito Santo, vem de encontro a estas almas”.
    Afirmou chorando um famoso médico-político, amigo do dinheiro público: “Tudo o que fiz e tudo o que faço sempre vem de encontro com o que a sociedade deseja.” 
    Empolgadamente, afirmou um delatado vereador recebedor de “ingresso de shows”: "Todos os nossos projetos vem de encontro com os desejos do povo."
     
    Apenasmente é forma dispensável, errada, sem fundamentação para o uso do sufixo mente.
    Apenasmente é palavra adequada para os políticos analfabetos e corruptos que gostam de enganar os incautos eleitores que trabalham para sustentar a corja de parasitos. Apenas é advérbio que significa tão-somente; só, unicamente. Essa é a palavra correta.
    Tamamado Nakombi bebeu apenas cinco litros de cerveja!
    Deuntreko Nukara fumou apenas um cigarro comum!
    Curando-se da embriaguez, Minerim fez apenas as seguintes perguntas: - Oncotô? Quem cô sô? Dondcôvô?
      
    Assassinar significa matar alguém de forma premeditada; matar traiçoeiramente; matar mediante paga ou recompensa; falar mal (uma língua); tocar mal (um trecho de música). Diferentemente de assassinar, matar significa tirar a vida por acidente ou por violência.
    As duas expressões acima não podem ser utilizadas com o mesmo significado. Assim, deve-se observar a forma correta de uso de ambas as palavras. Exemplos:
    Brucutu ia semanalmente à igreja. Todavia, assassinava, por qualquer paga, radialistas, jornalistas, freiras, padres, pastores, políticos, empresários, professores, sindicalistas, fazendeiros e outros que negassem apoio ao poderoso Pilantrone. 
    Matatoro Nutapa assassinou muitas outras pessoas sob as ordens do chefe oculto da grande máfia pantanosa.
    Tanakara Kimata contratou assassino para executar o delator.
    Analfabeto Eleito da Silva assassinou a língua pátria durante o seu discurso de posse. 
    Exemplos de uso correto do verbo matar:
    Imprudêncio perdeu o controle do carro e matou dois pedestres que discutiam sobre futebol.
    Takawara Kapenga matou o colega de pescaria por causa de um pequeno peixe.
    Formas adjetivadas e os substantivos correspondentes aos agentes:
    filicida (pessoa que tira a vida do filho) - filicídio (crime);
    fratricida (de irmão) - fratricídio; 
    genocida (de grupo nacional, étnico, racial ou religioso) - genocídio;
    homicida (de outrem) - homicídio;
    Infanticida (quem tira a vida de recém-nascido; de criança; de infante) - infanticídio;
    magnicida (do alto mandatário) – magnicídio;
    mariticida (do marido) - mariticídio;
    matricida (de mãe) - matricídio;
    parricida (do pai) - parricídio;
    regicida (do rei; aquele que tira a vida do rei) – regicídio;
    sororicida (de religiosa, freira) - sororicídio;
    suicida (de si) - suicídio;
    uxoricida (da esposa) - uxoricídio.
    Na linguagem popular denomina-se por morte: abotoar o paletó, bater as botas, bater a cacholeta, comer capim pela raiz, esticar as canelas, ir falar com São Pedro, ir pra cidade dos pés juntos, partir para uma melhor, servir de adubo, vestir o paletó de madeira etc. 
    Morre-se de morte morrida (quando a morte é natural) e de morte matada (por consequência de desastre; quando a pessoa morre assassinada ou por cometer suicídio). 


    Continuação na próxima semana. 


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS