Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 14 de setembro de 2017

    Documento contra cortes na área social será enviado ao Congresso com assinatura de 16 deputados

    O coordenador da Frente Parlamentar, João Grandão, agradeceu pelo aval dos outros 15 deputados que subscreveram com ele o documento © Divulgação
    Na sessão plenária desta quinta-feira (14), o deputado João Grandão recolheu as assinaturas de 16 parlamentares para um documento que será enviado ao Congresso Nacional pela Frente Parlamentar Estadual em Defesa da Assistência Social.

    O documento pede o resgate do orçamento para a área social no Brasil em 2018. Recém-anunciado pelo Governo Federal, o orçamento até agora é de apenas R$ 78 milhões para o Fundo Nacional de Assistência Social e R$ 307 milhões para o Ministério de Desenvolvimento Social, valor muito abaixo dos R$ 59 bilhões necessários e definidos no orçamento inicial.

    “A estrutura de gestão e serviços do SUAS, por exemplo, terá o financiamento de 0,13% do montante previsto no Fundo e o Benefício de Prestação Continuada e o Bolsa Família serão seriamente comprometidos, além de diversos outros serviços”, advertiu o parlamentar, que também é o coordenador da Frente Parlamentar.

    O documento, assinado por mais de 15 entidades representativas do setor de Assistência Social, será enviado também ao Ministério do Desenvolvimento Social, comissões de Orçamento; e de Assistência Social da Câmara Federal, e à Assomasul. 

    Todos os deputados que compõem a Frente Parlamentar Estadual em Defesa da Assistência Social assinaram o documento. São eles, os deputados João Grandão (PT), Junior Mochi (PMDB), Lídio Lopes (PEN), Flávio Kayatt (PSDB), Amarildo Cruz (PT), Grazielle Machado (PR), Antonieta Amorim (PMDB), Maurício Picarelli (PSDB), Beto Pereira (PSDB), Onevan de Matos (PSDB), Cabo Almi (PT), Paulo Corrêa (PR), Coronel David (PSC), Pedro Kemp (PT), Eduardo Rocha (PMDB), Renato Câmara (PMDB). Além destes, assinou o documento também a deputada Mara Caseiro (PSDB).

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS