Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 17 de agosto de 2017

    Lutador do UFC garante a segurança de Neymar no Paris Saint-Germain

    Neymar conta com um segurança particular regular que é brasileiro, mas ele não foi à França

    © Reuters / Benoit Tessier
    Neymar contratou um lutador de MMA para fazer parte de sua equipe de segurança na França, onde se transferiu do Barcelona para atuar no Paris Saint-Germain. Trata-se de Nordine Taleb, de 36 anos, que é canadense e tem, em sua carreira, registradas 13 vitórias e 4 derrotas em combates pelo UFC.

    O próprio lutador, que já venceu o brasileiro Erick Silva em um combate pelo UFC, publicou em sua conta no Instagram duas fotos nas quais aparece ao lado de Neymar na visita que o brasileiro fez às praias de Saint Tropez, na França, antes de estrear pelo Paris Saint-Germain.

    A princípio, a contratação foi apenas para os três dias que o craque passou no litoral francês no início deste mês. Mas de acordo com o portal do diário inglês The Sun, a relação deverá ser estendida e Nordine Taleb deverá permanecer à disposição de Neymar dentro e fora de Paris.

    A luta mais recente do canadense pelo Ultimate Fight Championship (UFC) foi em maio deste ano. Na ocasião, ele derrotou o sueco Oliver Enkamp por decisão dos jurados.

    Neymar conta com um segurança particular regular que é brasileiro. No entanto, ele não foi à França durante a apresentação do craque ao Paris Saint-Germain. O clube francês, aliás, coloca um segurança à disposição do atacante 24 horas por dia desde que ele chegou a Paris.

    O brasileiro estreou no último domingo pelo Paris Saint-Germain e fez um dos gols, o último, na vitória por 3 a 0 sobre o Guingamp, na casa do adversário, pela segunda rodada do Campeonato Francês.

    Neste domingo, Neymar vai fazer a sua primeira partida em casa, o estádio Parque dos Príncipes, em Paris, pelo Paris Saint-Germain. O adversário será o Toulouse e a segurança no local será reforçada por causa do grande interesse que a partida desperta.

    Fonte: NAOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS