Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    13/08/2017

    Garoa começa a cair em Campo Grande; no sul do Estado chuva foi forte

    Em Corumbá e Ladário, há previsão de temporal

    Pingos em capô de carro na região central de Campo Grande. Nuvens estão se formando © Álvaro Rezende
    A estiagem prolongada em Mato Grosso do Sul, com algumas regiões do Estado há mais de dois meses se chuva, começou já tem indícios que vai terminar hoje.

    Isso porque em Campo Grande, onde já são 55 dias sem chuva, no início da manhã deste domingo a previsão de que pode chover durante o dia já gera expectativa. A garoa já caiu por duas vezes, durante alguns minutos, na região centro-sul da cidade. 

    Alerta emitido pelo meteorologista Natálio Abrahão Filho informou sobre ventos fortes com danos consideráveis em Corumbá e Ladário, além de aumento na umidade relativa do ar em alguns municípios.

    Em Amambai, Corumbá, Itaquiraí, Jardim Ponta Porã e Sete Quedas já há registro de chuva entre 0,2 milímetros e 15,4 milímetros.

    A chuva mais intensa aconteceu em Ponta Porã, onde os ventos chegaram a quase 50 km/h. Já e Corumbá com chuva de apenas 0,2 milímetros, ocorreram trovoadas e ventos fortes, de 63,7 km/h. Lá a temperatura caiu de 25°C para 18°C. 

    “Nas regiões norte e nordeste a umidade agora cedo encontra-se em 41%. Campo Grande registrou temperatura 25,4°C, umidade relativa de 55%, parcialmente nublado e com ventos de 30 km/h”, explicou o meteorologista. 

    O pouco aumento da umidade do ar já é um alívio, pois durante os meses d de julho e agosto a média foi de 30% e na Capital durante a semana passada chegou aos 17%. Em alguns regiões do Estado, já são 68 dias sem chuva, que pode não chegar as áreas mais críticas - norte e nordeste.

    “A chegada de uma frente fria, que entra no continente pela Argentina e passa no Paraguai, vai atingir bem rápido o Mato Grosso do Sul. A chuva vai ser mais forte principalmente no sul do estado, onde já ocorreram chuviscos esta semana, mas nada significativo. Depois que esta frente passar volta a condição que temos atualmente, de baixa umidade, por alguns dias”, explica a meteorologista do Instituito Nacional (Inmet), Neide Oliveira.

    Porém, nova frente fria a partir do meio da próxima semana deve mudar novamente o cenário. “Tem previsão de mais chuva com a outra frente que deve chegar, mas estamos acompanhando esta primeira e veremos se mais uma se confirma”, finalizou.

    Fonte: CE
    Por: NATALIA YAHN


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS