Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    09/08/2017

    Deputado Dr. Paulo Siufi convidará representante do Ministério da Saúde para resolver impasse da Santa Casa

    © Divulgação
    Após se reunir com o secretário de saúde de Campo Grande, representantes do estado e o presidente da Santa Casa, Esacheu Nascimento, na manhã desta quarta-feira (9/8), na presidência da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, o deputado estadual Dr. Paulo Siufi, Presidente da Comissão Permanente de Saúde da Casa de Leis, convidará um representante do Ministério da Saúde para reunião com o governador, prefeito, secretários de saúde e de finanças, para assim, resolver o impasse dos repasses à entidade.

    De acordo com Siufi, a reunião será decisiva para que a União, o Estado e o Município chegue a um entendimento com a Santa Casa. “Cada um vai dizer, eu posso pagar tanto, eu posso pagar em tal dia, e assim, de uma vez por todas entrarem em um acordo e solucionarmos esse problema, para que a população não venha a sofrer mais”, esclareceu.

    Na segunda-feira o deputado se reuniu com a diretoria da Santa Casa de Campo Grande que reivindicou o repasse do valor de R$ 5 milhões que o Estado não havia feito. Após Siufi apresentar requerimento em caráter de urgência cobrando o governador Reinaldo Azambuja, durante a sessão plenária de ontem, o valor foi repassado à prefeitura de Campo Grande no final da tarde.

    “A Santa Casa não conseguirá manter o atendimento se não tiver o pagamento em dia. A prefeitura ficou de repassar o dinheiro recebido do Estado hoje, para que o hospital consiga pelo menos pagar seus funcionários para retomarem o serviço à população”, disse o deputado.

    Regulação

    Em visita, o deputado Dr. Paulo Siufi constatou que a central de regulação na entrada do pronto-socorro da Santa Casa não está negando atendimento, mas está aberta apenas para casos de emergências. Casos primários e secundários deverão ser encaminhados para as UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e CRS (Centro Regional de Saúde).

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS