Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 14 de agosto de 2017

    CASO MAYARA| MP denuncia baterista por latrocínio de Mayara e pede soltura de comparsa

    Promotor arquivou acusação contra 'Cachorrão', por falta de provas do tráfico de drogas

    Anderson (de cabeça baixa) deve ficar preso, Ronaldo (no centro) deve ser solto e Luís (à direita) acusado por latrocínio.
    O promotor Clóvis Amauri Smaniotto, titular da 17ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, concordou com o inquérito da Polícia Civil que investigou a morte da musicista Mayara Amaral, de 27 anos, e denunciou o músico Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, por latrocínio e ocultação de cadáver, ambos duplamente qualificados. Além disso, Smaniotto pediu o arquivamento da denúncia de tráfico de drogas e recomendou a soltura imediata de Ronaldo da Silva Olmeido, o ‘Chachorrão’, 30 anos.

    Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos © Divulgação
    Smaniotto entende que o crime de latrocínio (roubo seguido de morte) praticado por Luís teve como agravantes o motivo torpe e a Lei Maria da Penha – já que eles mantinham um relacionamento. Já o crime de ocultação de cadáver foi agravado com a tentativa de assegurar a impunidade, ou seja, esconder o crime e pelo risco de incêndio de grandes proporções na mata. Vale ressaltar que incêndio iniciado por Luís, ao redor do corpo da musicista, mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros.

    O Inquérito da Polícia Civil concluiu que o baterista planejou, matou e queimou o corpo da vítima sozinho. Além dos crimes, o suspeito roubou R$ 17,3 mil em bens. Investigação policial foi finalizada na sexta-feira (4) e enviada na segunda-feira (7) para a 4ª Vara Criminal.

    Soltura de ‘Cachorrão’

    Por falta de elementos suficientes para acusar Ronaldo por tráfico de drogas, o promotor pediu o arquivamento da denúncia e a soltura imediata do suspeito. Segundo o inquérito da Polícia Civil, entregue à Justiça na última segunda-feira (7), Ronaldo teria fornecido drogas a Luís, no dia do crime, mas nada foi apreendido em posse do suspeito.

    Ainda de acordo com o entendimento do promotor, o terceiro envolvido, Anderson Sanches Pereira, 31 anos, indiciado por receptação, deve responder pelo crime na prisão.

    No inquérito da Polícia Civil, a delegada Gabriela Stainle não encontrou indícios do envolvimento de Anderson Sanches Pereira, 31 anos, na morte da violonista e pediu a revogação da prisão preventiva. “Por hora, ele deve permanecer preso”, comentou o promotor, que justifica a prática do crime de receptação com a realização do pagamento de R$ 1 mil pelo veículo.

    Nova versão

    Ainda na última segunda-feira (7), Conrado Souza Passos, advogado de Luis procurou o Fórum da Capital para tentar uma nova audição do cliente, para apresentação de nova versão.

    Passos explicou que pretendia conversar pessoalmente com o promotor da 4ª Vara, para “ponderar para que o processo seja devolvido em diligência”. Ou seja, o procedimento retorna para a Polícia Civil para que seja colhido o novo depoimento de Luís.

    O promotor, por sua vez, discordou do pedido e o inquérito não deve ser devolvido à Polícia Civil. “Caso a defesa queira mudar a versão do crime poderá tentar durante audiências”, finalizou.

    Peça foi enviada na última quinta-feira (10) ao juiz da 4ª Vara Criminal da Capital, Wilson Leite Correa. Porém, conforme a assessoria de imprensa do Tribunal do Júri, ainda não foi recebido devido ao feriado judiciário em comemoração ao Dia do Advogado, na última sexta-feira (11).

    ​Crime

    Mayara foi morta a marteladas, e segundo um dos suspeitos, também foi esganada. Luís Alberto Bastos Barbosa de 29 anos, Ronaldo da Silva Olmedo, de 30 anos, e Anderson Sanches Pereira, 31 anos, foram presos em flagrante pelo crime, na quarta-feira, 26 de julho.

    Em depoimento, Luís afirmou que o responsável por matar a musicista foi Ronaldo. Na versão dele, os três haviam combinado de ir ao motel juntos e foi Mayara quem buscou ele e o comparsa em seu veículo, um Gol modelo 1992. Para entrar no local, ‘Cachorrão’ teria se escondido no banco de trás.

    Dias após o crime, a defesa de Luís passou a afirmar que ele queria mudar a versão dos depoimentos e contar que assassinou Mayara durante uma briga e, que estava sozinho no local do crime.

    Fonte: Midiamax
    Por: Danielle Valentim e Geisy Garnes


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS