Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 25 de julho de 2017

    TRÊS LAGOAS| “Agosto Lilás” terá jovens e adolescentes como principais protagonistas contra violência da mulher

    Campanha será intensificada com ações específicas, que irão envolver professores e alunos da rede pública de ensino de Três Lagoas 

    © Divulgação
    A Campanha “Agosto Lilás”, em defesa dos direitos da mulher em situação de vítima de violência doméstica e familiar, terá como principais protagonistas os alunos das escolas da rede pública de ensino, ou seja, estudantes adolescentes e jovens de Três Lagoas.

    Projeto para “implementação e desenvolvimento de ações específicas para o protagonismo estudantil na (re)produção de campanha de combate à violência doméstica contra a mulher” foi exposto pela professora doutora, Romilda Meira de Souza Barbosa, da Gestão de Tecnologia Educacional (GETED) da Secretaria Estadual de Educação (SED), na manhã desta terça-feira (25) no Núcleo de Tecnologia Educacional de Três Lagoas (NTE/TL).
    © Divulgação
    Participaram do encontro de apresentação do projeto e propostas de ações para a Campanha “Agosto Lilás”, a Secretária Municipal de Assistência Social (SAS), Vera Helena Arsioli Pinho; Coordenadora Regional de Educação de Três Lagoas (CRE12), professora Marizeth Bazé Kill; diretor do Departamento de Proteção Social Especial, Luiz Fernando Tondeli Fochi; e a coordenadora do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), Vera Renó, acompanhada da psicóloga Cássia Maria Garcia Nunes, da advogada Rafaella Marques de Oliveira e da assistente social Janayna Garcia Bardi.

    OBJETIVOS CONCRETOS

    O projeto tem como objetivos: desenvolver a campanha “Agosto Lilás” nas escolas da rede pública; fazer uso pedagógico de tecnologias e mídias; sensibilizar maior número de pessoas, cidadãos do bem, quanto aos direitos das mulheres em situação de vítimas de violência doméstica e familiar; promover projetos de ampla divulgação da Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), “considerada a terceira melhor lei que temos no Brasil, de proteção dos direitos da mulher”, como observou a advogada Rafaella Marques; e identificar e desconstruir padrões rígidos da cultura machista, motivadores da violência doméstica contra a mulher.

    VISIBILIDADE DA CAMPANHA

    “Em nome do prefeito Ângelo Guerreiro, que foi um dos primeiros prefeitos de Mato Grosso do Sul a assinar o termo de compromisso de adesão ao ‘Agosto Lilás’, garanto que daremos todo o apoio e participaremos de todas as ações que deem visibilidade e resultados positivos a esta campanha”, assegurou a secretária Vera Helena.

    Entre as ações previstas e em estudo, Vera Helena propôs “um ato público que envolva toda a sociedade e chame a atenção para os crescentes índices de violência contra a mulher”.

    Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, de janeiro a junho deste ano, foram registrados 713 Boletins de Ocorrências de violência contra a mulher.

    “Infelizmente, desse total, menos de 100 casos chegaram ao conhecimento das nossas equipes do CREAS”, comentou Luiz Fernando.

    Entre as ações do CREAS estão “o atendimento social, psicológico, orientação e encaminhamento jurídico à mulher em situação de violência”, como informou a psicóloga Cássia Maria ao expor os principais tipos de violência sofridos constantemente pela mulher.
    © Divulgação
    A psicóloga do CREAS explicou que, além da violência física, a mulher ainda sofre com os efeitos e danos da violência psicológica, violência moral, violência sexual e violência patrimonial.

    Como observou a professora Marizeth Bazé, devido à violência, “muitas vezes a mulher se sente debilitada e enfraquecida até para buscar ajuda”.



    Fonte: ASSECOM
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS