Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 18 de julho de 2017

    Travestis que mataram colega por ser “mais bonita” são presas

    © Reprodução
    Duas travestis envolvidas no assassinato de Ágatha Lios, 23 anos, foram presas pela Polícia Civil do Amazonas. Esfaqueada dezenas de vezes na tarde de 26 de janeiro deste ano, Ágatha perdeu a vida tentando escapar da brutalidade de suas algozes. O crime ocorreu em Taguatinga Sul, no Distrito Federal, dentro de uma central de distribuição dos Correios, próximo ao local onde ela costumava fazer ponto. O motivo teria sido disputa por pontos de prostituição. As investigações apontam que assassinas tinham ciúmes porque a vítima era “mais bonita”.
    Ágatha Lios foi morta no Distrito Federal
    As jovens conhecidas como Carolina Andrade e Lohanny Castro, foram presas nesta segunda-feira (17/7) após assaltarem um homem em Manaus. De acordo com o boletim de ocorrência, a dupla agiu com violência e levou R$500, um óculos, um relógio, um cordão e o celular do homem depois de uma discussão devido a um programa sexual.

    O delegado titular do 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Jone Clei, afirmou que a vítima teria confundido a dupla com mulheres. Na delegacia, as duas travestis disseram que o homem tinha feito programa e não quis pagar o encontro sexual com as duas. A Justiça vai decidir se as acusadas serão encaminhadas para o Distrito Federal, onde respondem pelo assassinato de Ágatha.

    De acordo com o site Metropoles, quatro travestis envolvidos no crime foram identificados.


    Todas tiveram mandados de prisão expedidos pela Justiça e são consideradas foragidas. Ainda permanecem soltas as travestis conhecidas como Samira Bruna Alencar. As duas são acusadas de armar uma emboscada e matar a vítima.




    Fonte: informe baiano
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS