Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 25 de julho de 2017

    Suspeito de planejar morte de Rafaat era o alvo de atentado em boate

    Brasileiro que usa três identidades, Galã comanda célula do PCC na fronteira e teria apoio de autoridades e policiais paraguaios

    Boate atacada a tiros de pistola e fuzil na madrugada de ontem; quatro morreram e 11 ficaram feridos (Foto: ABC Color)
    Um brasileiro conhecido na fronteira como “Galã” e apontado como o responsável pela organização do assassinato de Jorge Rafaat Toumani seria o alvo do atentado à boate After Office, na madrugada de ontem (24), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã (MS), a 323 km de Campo Grande.

    Para policiais e promotores paraguaios envolvidos nas investigações do atentado que deixou quatro mortos e 11 feridos, os pistoleiros acreditavam que Galã estivesse na boate, mas até agora essa suspeita não foi confirmada.

    Os dois homens mortos, Felipe Alves, o “Filhote”, e Ivanilton Moretti, 36, seriam seguranças pessoais de Galã, que usa duas identidades brasileiras com nomes Elton Leonel Rumich da Silva e Oliver Giovanni da Silva e uma paraguaia, com nome de Ronaldo Rodrigo Benites.

    Moretti, conhecido como “Grandão”, era de Presidente Prudente (SP), já tinha sido condenado por tráfico internacional e respondia em liberdade a outro processo, pelo mesmo crime.

    Além deles, morreram Sabrina Martins dos Santos, 25, e Gabriele Oliveira Antonello, 18, as duas moradoras de Ponta Porã e que seriam namoradas de Ivanilton e Felipe.
    Ivanilton Moretti e Felipe Alves, mortos na boate (Foto: ABC Color)
    Rafaat – De acordo com policiais paraguaios, Galã é o chefe da célula do PCC em Pedro Juan Caballero, para onde foi enviado com a missão de expandir as ações da facção criminosa brasileira em território paraguaio, principalmente no controle do tráfico de drogas e armas na fronteira Brasil-Paraguai.

    Só que os planos do PCC esbarravam em Jorge Rafaat, até então o “chefão” da fronteira, que não permitia a presença das facções criminosas. Em Pedro Juan Caballero, policiais e jornalistas afirmam que Rafaat mandou executar vários membros do PCC e do Comando Vermelho.

    No dia 15 de junho do ano passado, o PCC tirou Rafaat do caminho. Em um ataque cinematográfico, que teria sido arquitetado por Galã, Rafaat foi morto a tiros de metralhadora calibre 50, que perfuraram a blindagem do seu utilitário Hummer preto.

    O atirador, o também brasileiro Sérgio Lima dos Santos, foi ferido na boca por um dos seguranças de Rafaat e está preso em Assunção, capital do Paraguai.

    Após a morte de Jorge Rafaat, Galã teria se refugiado na Bolívia, mas depois que a situação se acalmou ele voltou a Pedro Juan, onde lidera o PCC na guerra contra outras facções criminosa e grupos locais pelo controle do crime organizado.

    Galã é aliado de Jarvis Gimenez Pavão, outro brasileiro apontado como barão da cocaína no Paraguai. Condenado por lavagem de dinheiro naquele país, o sul-mato-grossense está preso em Assunção. A pena dele termina em dezembro deste ano e a Justiça paraguaia já autorizou sua extradição ao Brasil após cumprir a sentença.

    Fonte: campograndenews
    Por: Helio de Freitas, de Dourados
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS