Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    18/07/2017

    Para PSB, Temer age como chefe de partido e tenta 'salvar a própria pele'

    Carlos Siqueira, presidente do PSB © Bruno Poletti/Folhapress
    O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, reagiu nesta terça-feira (18) ao convite feito pelo presidente Michel Temer para que dissidentes do partido ingressem no PMDB.

    Segundo ele, o episódio demonstra que, diante de uma crise política, o peemedebista está mais preocupado em "salvar a própria pele" do que com os problemas do país.

    "O presidente saiu dos seus afazeres presidenciais para fazer articulações políticas, o que mostra que a preocupação dele não é com os problemas do país, mas em salvar a própria pele", disse.

    Para ele, ao visitar a líder do PSB, Tereza Cristina (MS), na manhã desta terça-feira (18), o peemedebista "não agiu como presidente da República, mas como chefe de partido".

    Como a Folha mostrou, o peemedebista foi à residência da parlamentar para sondar os movimentos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e para convidar a ala rebelde do partido a ingressar no PMDB.

    A agenda secreta, que só foi incluída na agenda presidencial após a descoberta do encontro pela imprensa, teve como objetivo evitar que os dissidentes migrassem para o DEM, movimento que fortaleceria o partido de Maia, primeiro na hierarquia da Presidência.

    VIAGEM

    Após a revelação do encontro, o presidente rediscute viajar para Pernambuco, principal reduto eleitoral do PSB, nesta quarta-feira (19). A tendência é de que ele passe a viagem para a próxima semana.

    O discurso oficial é de que ainda faltam fechar detalhes para o lançamento do programa Cartão Reforma, que seria feito em Caruaru (PE) como um afago ao ministro Bruno Araújo (Cidades), do PSDB.

    Nos bastidores, no entanto, assessores e auxiliares presidenciais reconhecem que o episódio causou "mal-estar" com a cúpula nacional do PSB e que inviabilizou a viagem do presidente.

    Nas palavras de um aliado, se a relação de Temer com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), não estava boa, "agora piorou ainda mais".

    Em posicionamento oficial, o Palácio do Planalto afirmou que o presidente não fez nenhum movimento para evitar que parlamentares do PSB migrem para o DEM. Segundo o comunicado, o peemedebista não defendeu veto a nenhum partido e disse que caso eles precisassem conversar com o PMDB, que procurassem o presidente nacional da legenda, senador Romero Jucá (PMDB-RR).

    PANOS QUENTES

    Para evitar também uma crise com o DEM, o presidente chamou o ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), para um encontro no Palácio do Planalto.

    Na conversa, Temer negou que, ao falar com o PSB, tenha vetado a entrada dos parlamentares dissidentes no partido e que pretende conversar pessoalmente com Maia para esclarecer a questão.

    O encontro será um jantar, na noite desta terça-feira (18), na residência oficial da Câmara dos Deputados. O encontro também terá a participação de parlamentares da legenda.

    Fonte: Folha de S.Paulo
    Por: GUSTAVO URIBE / DANIEL CARVALHO DE BRASÍLIA
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS