Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 10 de julho de 2017

    Marido é morto pela “amiga” da esposa

    Suspeita recai sobre amiga do casal e pode ser legitima defesa

    O casal, Luciene e Reinaldo Kabure, que foi morto por Marielle em Nioaque
    Briga de marido e mulher acaba em morte na madrugada dessa segunda-feira (10) em Nioaque – a 198 km de Campo Grande. A ex-candidata a vereadora pelo DEM, Luciene Franco, discutia com o seu esposo, Reinaldo Martins de Souza “Kaburé”, 59 anos, na fazenda do casal, quando sua amiga, Marielle Simões Burgo, entrou na briga e acabou matando o homem. 

    De acordo com a delegada, Joilce Silveira Ramos, Luciene começou a discutir com o seu marido que a agrediu fisicamente. Para ajudar à amiga, Marielle entrou na discussão, Reinaldo então pegou um facão para atacar as duas mulheres. 

    Marielli conseguiu se defender e pegou uma pistola 9 mm de Reinaldo e disparou contra ele dois tiros, um no peito e outro no rosto de Reinaldo que morreu na hora. A suposta autora do crime fugiu. “Ela ainda não se apresentou e nem um advogado compareceu para representa – la. Em relação ao tempo de prisão que a autora pode pegar varia de acordo com a decisão do juiz”, disse a delegada. 

    “Pode até ser que ela seja absolvida, caso o juiz entenda que ela tenha agido por legítima defesa”, acrescentou. 

    Namoro entre mulheres

    Os detalhes que cercam o homicídio, não acontecem nas ruas de Ipanema, nem em nenhuma travessa próxima ao Central Park em New York, mas na pequena e pacata Nioaque. A foragida e principal suspeita da autoria de um homicídio, Marielle Burgo é companheira de outra mulher, e também teria um relacionamento extra conjugal com Luciene Franco, cujo marido Reinaldo Martins “Kaburé”, ela acabou por matar. 

    A delegada do pequeno município, Joice Silveira, desconversa, diz apenas que “existe esse boato na cidade, mas o povo fala de mais. Sabemos apenas que Marielle é homossexual, mas não temos indícios que as duas se relacionavam”, disse.

    O fato verdadeiro for, talvez explique o empenho de Marielle em defender Luciene possivelmente sua namorada, inclusive matando seu marido, num caso que parece ter as características de legitima defesa. 

    O caso foi registrado como homicídio doloso, quando há a intenção de matar. A suposta autora do crime é considerada foragida pela justiça.

    Fonte: JD1Notícias
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS