Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 12 de julho de 2017

    CCJ inicia discussão sobre denúncia contra Temer

    A discussão pode durar até 40 horas

    © Agência Câmara
    Acaba de ser iniciada, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, a discussão do parecer do relator da denúncia contra o presidente da República, Michel Temer, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ).

    No início da reunião, os deputados tiraram dúvidas sobre o procedimento, e o presidente da comissão, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), alertou que não deveria haver obstrução.

    O primeiro a falar em defesa de Temer foi o deputado Paulo Maluf (PP-SP). Para ele, não houve problemas no encontro com Joesley Batista à noite, mas sim na delação do empresário que deu origem à denúncia. "O governo dos EUA deu dez anos para que empresas devolvessem dinheiro, mas a Procuradoria-Geral da República deu 25 anos à J&F. Qual foi o preço? Um gravador com a conversa do presidente Temer", disse.

    Pela aceitação da denúncia, o primeiro a falar foi o deputado Wadih Damous (PT-RJ). "Esse é um juízo de oportunidade, se é politicamente viável, ou se o presidente está sendo perseguido injustamente pelo Ministério Público? Não é o caso, é uma denúncia real", afirmou.

    Parecer

    O texto de Zveiter, lido na segunda-feira (10), recomenda a admissibilidade da investigação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) da denúncia por crime de corrupção passiva (SIP 1/17) contra Temer.

    A denúncia foi apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, mas, para que o Supremo analise o caso, é preciso autorização da Câmara.Na segunda-feira, após a leitura do parecer, a CCJ ouviu o advogado de Temer, Antonio Mariz de Oliveira.Por acordo, todos os 122 integrantes da comissão (suplentes e titulares) e mais 40 deputados não membros devem falar na CCJ.

    A discussão pode durar até 40 horas. A reunião ocorre no plenário 1. Com informações da Agência Câmara.

    Fonte: NAOM
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS