Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 19 de junho de 2017

    Vereador Carlão manifesta preocupação com aumento nos casos de roubos, furtos e homicídios na Capital

    © Divulgação
    Nessa segunda-feira (19), o vereador Carlos Augusto Borges (Carlão) destacou sua preocupação com o número de casos de violência registrados nas últimas semanas. Carlão que já atuou como policial civil, afirmou que os roubos, furtos e até homicídios estão gerando uma onda de insegurança na Capital.

    “Basta ligar os noticiários para vermos que a situação está muito grave. Estive reunido recentemente com o secretário de Estado Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa, e discutimos essa situação. Embora os investimentos em Segurança estejam acontecendo à demanda da violência tem crescido. Precisamos unir esforços no combate à ação de criminosos, alguns vindos de outras regiões do país que vem a Capital devido o aumento da população carcerária e a guerra pelo tráfico de drogas”, ponderou Carlão, ressaltando que grande parte dos casos de roubos e furtos nem sequer são registrados porque a população fica desmotivada em registrar Boletins de Ocorrência.

    Carlão também reforçou que não basta investir em aparelhar as policias, para ele é preciso dar condições de trabalho aos investigadores para que consigam elucidar os casos, já que muitos reclamam da falta de meios técnicos para trabalhar, delegacias sucateadas. Ele falou, ainda, que a sensação de impunidade acaba incentivando os criminosos. 

    Novas Condutas – O vereador Carlão afirmou que a população precisa adotar novas condutas de segurança, já que a cidade está crescendo e a ação dos criminosos tem se tornado mais freqüente.

    “Tenho apresentado indicações cobrando a realização de rondas ostensivas da Policia Militar e rondas da Guarda Municipal em diversas regiões da cidade. Além de cobrar a manutenção da iluminação pública, porque a escuridão facilita a ação de marginais. Mas a população também precisa adotar novos hábitos de prevenção a situações de risco”, disse.


    Fonte: ASSECOM
    Por: Janaina Gaspar
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS