Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 12 de junho de 2017

    Explosão de caldeira em navio mata trabalhador de MS

    Ao todo, acidente deixou quatro feridos; três morreram no Hospital © Divulgação
    Morreu na madrugada deste domingo (11), o três-lagoense Eduardo Aragão Lima, 33 anos, vítima da explosão em uma caldeira de máquinas do navio sonda NS-32 (norbe VIII) no Campo de Marlim, na Bacia de Campos, na sexta-feira (9). Segundo a Petrobras, Lima, 33 anos, empregado da Odebrecht Óleo e Gás (OOG), estava hospitalizado em estado grave.

    Ao todo, o acidente deixou quatro feridos. Três morreram no Hospital Público de Macaé (RJ) e um recebeu alta da unidade neste sábado (10). Na tarde desta sexta-feira (9), o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro/NF) e a Odebrecht tinham confirmado a primeira morte, de um técnico de inspeções e calibração que tinha 28 anos. A segunda morte foi confirmada pela Odebrecht Óleo e Gás na manhã de sábado (10). De acordo com a Odebrecht, o também técnico em inspeções e calibragem da empresa IMI (Instituto de Metrologia Industrial Ltda) tinha 44 anos e estava internado no Hospital Municipal de Macaé, no interior do Rio.

    Em nota, a empresa informou que está “prestando todo o apoio necessário à família do trabalhador, assim como aos parentes dos outros colaboradores envolvidos no acidente”.

    A EXPLOSÃO

    A explosão no navio ocorreu às 7h48 de sexta-feira (9). Segundo o Sindipetro/NF, dois trabalhadores foram socorridos pela aeronave de emergência e os outros dois passaram por avaliação médica inicial a bordo da unidade, antes de serem levados para o hospital.

    De acordo com a Petrobras, não houve incêndio. Segundo o Sindipetro/NF, a explosão aconteceu durante manutenção em uma caldeira que não estava operando. Ainda conforme o sindicato, o navio foi afretado pela Odebrecht, que disse, por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa, que “as operações foram imediatamente paralisadas e uma investigação já foi iniciada para apurar as causas do acidente”.


    Fonte: paginabrazil
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS