Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 14 de junho de 2017

    Deputado Cabo Almi exige do governador no mínimo 20% de reajuste para os servidores

    © Divulgação/ALMS
    Em pronunciamento, da tribuna da Assembleia Legislativa, o deputado Cabo Almi(PT) fez severas críticas ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) pela falta de cumprimento das promessas assumidas na campanha eleitoral, onde usou a imagem do seu falecido pai para dizer que era um homem de palavra e que o que é dito, tem que ser cumprido. A prática do governador demonstra claramente que ele ainda não desceu do palanque e os servidores do Estado estão pagando caro por isso, são três anos sem aumento de salário. 

    Cabo Almi, faz parte da comissão de deputados que negocia junto ao fórum dos servidores o reajuste dos salários, haja vista que, no primeiro ano não teve aumento, nem reajuste para compensar a inflação. No segundo ano, o governador ofereceu a “migalha de 200,00 reais de abono”, neste ano de 2017, já passou a data base e o governador diz que o reajuste será zero.

    No encontro entre a comissão de deputados, o fórum dos servidores e o governador, nada ficou definido. Saímos da governadoria com uma simples promessa de que no dia três de julho, haverá uma posição oficial do governo. Diante deste indicativo, o servidor vai mais uma vez, dar um crédito de confiança ao governador.

    O que se espera, segundo o parlamentar, é a proposta de um reajuste de no mínimo 20% para equilibrar o poder de compra dos servidores, a final, são três anos sem aumento e sem reajuste.

    Finalmente, Cabo Almi disse que, “o papel da comissão de deputados, é fazer o governador cumprir o que prometeu na campanha eleitoral, onde segundo ele, o servidor público seria prioridade em seu governo. Cadê a prioridade, se não cumpre nem com as correções salariais? A permanecer desse jeito, Reinaldo Azambuja vai sair com a marca de pior governador para cumprir com os servidores de Mato Grosso do Sul”.

    Fonte: ASSECOM
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS