Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 19 de abril de 2017

    ‘Se eu não tivesse atirado, estaria morto’, diz PRF em depoimento a juiz

    ‘Coreia’ também afirmou ao juiz que não teve a intenção de matar, mas que é ‘treinado para viver’

    Na sala de audiência, defesa (à direita) e acusação frente a frente (Foto: Marcos Ermínio)
    Em juízo, o policial rodoviário federal Ricardo Hyun Su Moon, o 'Coreia', defendeu-se da acusação de homicídio contra o empresário Adriano Correa do Nascimento, de 33 anos, dizendo que agiu em legítima defesa. “Se eu não tivesse atirado, estaria em um hospital ou morto”, afirmou o PRF.

    Moon garantiu que agiu por instinto. “Não queria matar ninguém, mas a gente é treinado para viver e não para morrer”, reforçou.

    Ricardo Moon pouco antes de começar a ser ouvido em juízo (Foto: Marcos Ermínio)
    Questionado pelo juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, sobre a habilidade para manusear armas e por que o policial não atirou nos pneus da caminhonete conduzida por Adriana, apenas para pará-lo, Coreia disse que PRFs são treinados para não disparar contra veículos.

    “Primeiro que não deu tempo de procurar nos pneus. Mas, nós não podemos atirar em pneus, por instrução normativa, somos proibidos e atirar em pneus. Atirei nele em ação de legítima defesa, porque ele jogou uma caminhonete de não sei quantas toneladas em cima de mim, atentando contra a minha vida”, respondeu, completando que “instintividade não tem nada a ver com habilidade”.

    ‘Coreia’, no dia 11 de janeiro, quando a polícia fez a reconstituição do crime
    Assalto 

    Na audiência, Moon detalhou o que ocorreu antes dele disparar sete vezes contra o empresário. Na versão dele, as três pessoas na caminhonete poderiam ser assaltantes.

    Ele relatou que Adriano saiu de uma das ruas do bairro Amambaí e virou na frente do policial, que conduzia um Mitsubishi Pajero, na avenida Ernesto Geisel. Num segundo momento, o motorista da Toyota Hilux também teria “fechado” o PRF no trânsito, até que no cruzamento da avenida com a rua 26 de agosto parou atrás do carro de Coreia.

    Moon contou que Adriano estava na pista do meio e ele na da direita e, na opinião dele, não havia motivo para o motorista reduzir e parar atrás dele. “Achei suspeito pelo horário e pela rua estar vazia, achei estranho, pensei que fosse um assalto, pois não havia motivo para ele mudar de faixa. Desci do carro me identifiquei, mas não saquei a arma”.

    O policial rodoviário relata ainda que os três ocupantes da Hilux estavam exaltados e aparentemente embriagados. Ele diz ter perguntado se o trio havia bebido e recebeu como resposta a mesma pergunta.

    O PRF garante que se identificou verbalmente como policial, mas não mostrou a identificação porque estava com uma lanterna e o celular nas mãos. Ele explica que para mostrar a credencial precisaria das duas mãos, porque o documento fica dentro da carteira dele. “Em nenhum momento eu disse que não ia me identificar”.

    Coreia afirma que só sacou a arma quando os ocupantes do veículo desceram. “Me assustei”.

    Os três voltaram para o carro e Adriano disse que iria embora. O policial relatou ainda que foi para a frente da Hilux para pegar o número da placa, mas que o motorista arrancou com o carro. “Ele bateu na minha perna, cheguei a cair no capo. Instintivamente estiquei o braço e atirei, continuei atirando e vi que acertei o Adriano”.

    Foto do agente da PRF no carro da PM no dia do crime (Foto: Simão Nogueira/Arquivo)
    Blindado? 

    Ricardo Moon garantiu que em nenhum momento disse que estava fardado no momento da abordagem. Ele afirma que contou ao delegado que roupas vestia e que estava apenas com a calça caqui, do uniforme da PRF.

    Sobre o fato de ter sido levado para um dos quartéis da PM (Polícia Militar), ele desmentiu a versão de que seria uma atitude de favorecimento ou corporativismo. Coreia disse acreditar que estava detido.

    Audiências 

    Na tarde de quarta-feira (12), cinco testemunhas escolhidas pela defesa de Coreia prestaram depoimento. No dia 11, um delegado, peritos e agentes de polícia científica foram chamados para esclarecer o aparecimento de dois maçaricos – objetos semelhantes da armas – no carro da vítima depois que a perícia havia sido feita.

    Na semana anterior, foram ouvidas as pessoas chamadas pela acusação.

    Acusação e defesa fazem perguntas na frente do juiz Carlos Alberto Garcete, que analisa o processo.

    O policial rodoviário participou das duas primeiras audiências, como ouvinte. No dia 12, ele não compareceu do Fórum.

    Crime 

    Adriano Correa do Nascimento, que conduzia a Toyota Hilux, foi morto na madrugada de 31 de dezembro de 2016, um sábado, na avenida Ernesto Geisel, em Campo Grande. Atingido por tiros, ele perdeu o controle do veículo e a caminhonete bateu em um poste.

    Ricardo Moon foi denunciado por homicídio doloso contra o empresário e tentativa de homicídio contra Agnaldo Espinosa da Silva, de 48 anos, e o enteado dele, um adolescente de 17 anos. Coreia foi preso por duas vezes, mas está em liberdade.


    Fonte: campograndenews
    Por: Anahi Zurutuza e Luana Rodrigues
    Imprimir

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS