Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 19 de abril de 2017

    Em reunião pública vereador Carlão reafirma compromisso em ser justo com categoria de taxistas, moto-taxistas e auxiliares

    © Divulgação
    Na tarde desta quarta-feira (19) o vereador Carlos Augusto Borges (Carlão PSB), 1º secretário da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Campo Grande, secretariou reunião pública entre representantes dos taxistas, moto-taxistas e auxiliares de Campo Grande. A categoria veio à Casa de Leis para cobrar igualdade de direitos e deveres por parte dos aplicativos de carona remunerada. A regulamentação do setor está sendo amplamente debatida com representantes da categoria e os Poderes Executivo e Legislativo para que sejam criadas Leis que regulem os serviços do UBER na Capital.

    “Meu compromisso com a categoria é ser justo na avaliação de todos os lados envolvidos. Pelo que percebo a maioria dos vereadores está disposta a votar por regras justas e que garantam a segurança dos passageiros. É inegável a boa intenção do prefeito Marcos Trad e desta Casa em ouvir as reivindicações apresentadas e trabalhar por um consenso”, disse Carlão ao término da reunião destacando que todas as demandas apresentadas serão encaminhadas ao Executivo.

    Para o presidente do Sindicato dos Taxistas, Bernardo Barrios, o diálogo não pode ser desvirtuado. “Sempre trabalhamos em prol da população, e não há como concorrer se não existe uma quantidade definida da nossa concorrência”, afirmou. Já o presidente do Sindicato dos Mototaxistas de Campo Grande, Dorvair Boaventura ( Caburé) afirmou que é preciso discutir e resolver de maneira que atenda a todos os lados. “Gostaríamos de concorrer entre nós, obviamente, mas se temos que suportar a vinda dos aplicativos, então que haja justiça”, cobrou.

    Também participaram da reunião os vereadores Cazuza, Chiquinho Telles, Valdir Gomes, Eduardo Romero, Pastor Jeremias, Veterinário Francisco, Ademir Santana, Lucas de Lima, Delegado Wellington, Enfermeira Cida e Dharleng Campos.


    Fonte: ASSECOM
    Por: Janaína Gaspar
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS