Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 18 de abril de 2017

    Delcídio diz que doação da Odebrecht em 2014 foi de R$ 3 milhões e no oficial

    Em nota, o ex-senador Delcídio do Amaral negou que tenha recebido R$ 5 milhões em Caixa 2 para sua campanha eleitoral em 2014 (Foto: Senado/Arquivo)
    O ex-senador por Mato Grosso do Sul, Delcídio do Amaral, em nota enviada agora à noite ao Campo Grande News, negou que tenha recebido R$ 5 milhões, via Caixa 2, da construtora Odebrecht para sua campanha a governador em 2014, como declarou Benedicto Barbosa da Silva Júnior, ex-presidente da área de Infraestrutura da empresa, e um dos delatores da Operação Lava Jato.

    Em 2014, segundo a nota, as doações da Odebrecht para a campanha do ex-parlamentar ao Governo de Mato Grosso do Sul foram de R$ 3 milhões, não R$ 5 milhões, e devidamente registradas na prestação de contas apresentada a Justiça Eleitoral.

    Ainda de acordo com a nota, o ex-senador Delcídio do Amaral permanece à disposição das autoridades para esclarecer quaisquer outras dúvidas que pairem sobre sua atividade política.

    Veja a nota na íntegra:

    Ao jornalista Waldemar Gonçalves,

    Chefe de Redação do Campo Grande News

    Senhor chefe,

    Em relação à matéria “Odebrecht repassou R$ 5 milhões de caixa 2 para Delcídio, diz delator”, publicada nesta terça-feira por esse site, a assessoria do ex-senador Delcídio do Amaral esclarece o seguinte:

    1 – Os recursos que a campanha do então senador, na época candidato a governador, recebeu da Odebrecht em 2014 foram doações oficiais, no valor total de R$ 3 milhões, devidamente registradas na prestação de contas apresentada a Justiça Eleitoral, conforme já amplamente divulgado pela mídia nacional na semana passada.

    2 – O ex-senador Delcídio do Amaral permanece à disposição das autoridades para esclarecer essas e quaisquer outras dúvidas que pairem sobre sua atividade política.

    Campo Grande, 18 de abril de 2017

    Assessoria de Delcídio do Amaral


    Fonte: campograndenews
    por: Paulo Nonato de Souza
    Imprimir

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS