Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

    Em 10 meses, indústria de MS tem saldo positivo de 3,2 mil postos de trabalho

    Divulgação

    De janeiro a outubro deste ano, o setor industrial de Mato Grosso do Sul, que é composto pelas indústrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública, já acumula saldo positivo de 3.202 postos formais de trabalho, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. O coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, explica que o montante positivo é em razão de o mês de outubro ter aberto 457 vagas, possibilitando que o saldo das contratações nas atividades industriais do Estado ficasse positivo em oito dos dez meses com dados oficiais disponíveis.

    Ainda de acordo com ele, no ano, os melhores resultados foram identificados pelos segmentos da construção (+2.857), alimentos e bebidas (+552), serviços industriais (+453), indústria da borracha, couro e diversas (+143) e calçados (+72), enquanto no mês os destaques são para química (+324), alimentos e bebidas (+131), material elétrico (+46) e calçados (+45). “Em outubro, considerando todos os setores da economia estadual, foram abertas 1.010 vagas. Já no acumulado do ano, o resultado aponta a criação de 7.976 postos de trabalho, entretanto, nos últimos 12 meses, 1.379 vagas foram fechadas em Mato Grosso do Sul”, analisou.

    O conjunto das atividades industriais em Mato Grosso do Sul encerrou outubro de 2016 com 128.437 trabalhadores empregados, indicando aumento de 0,43% em relação a setembro. “Com esse desempenho a indústria segue com o 3º maior contingente de trabalhadores formais do Estado. Atualmente, a atividade industrial responde por 19,7% de todo o emprego formal existente em Mato Grosso do Sul, ficando atrás do setor de serviços, que emprega 195.593 trabalhadores com participação equivalente a 29,9%, e da administração pública, com 129.965 trabalhadores ou 19,9%”, detalhou.

    Desempenho

    Em Mato Grosso do Sul, de janeiro a outubro de 2016, ao todo 103 atividades industriais apresentaram saldo positivo de contratação, proporcionando a abertura de 5.980 vagas, com destaque para montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (+952), construção de rodovias e ferrovias (+753), construção de edifícios (+649), obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações (+467) e obras de terraplenagem (+335). Por outro lado, no mesmo período, 108 atividades industriais apresentaram saldo negativo, proporcionando o fechamento de 2.778 vagas, com destaque para fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado não especificados anteriormente (-262), fabricação de fogões, refrigeradores e máquinas de lavar e secar para uso doméstico (-181) e construção de redes de transportes por dutos, exceto para água e esgoto (-142).

    Em relação aos municípios, constata-se que em 48 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação no período de janeiro a outubro, proporcionando a abertura de 4.695 vagas, com destaque para Três Lagoas (+1.481), Aparecida do Taboado (+658), Água Clara (+447), Nova Alvorada do Sul (+259), Nova Andradina (+203), Camapuã (+188), Mundo Novo (+158), Angélica (+151), Maracaju (+149) e Campo Grande (+128). As atividades que mais contribuíram nos municípios selecionados foram montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (+1.085), construção de edifícios (+648), construção de rodovias e ferrovias (+588), obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações (+465), fabricação de álcool (+312) e fabricação de açúcar em bruto (+231).

    Por outro lado, no mesmo período, em 29 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, provocando o fechamento de 1.493 vagas, com destaque para Bataguassu (-226), Eldorado (-198), Paranaíba (-157), Terenos (-130), Dourados (-122), Ponta Porã (-108), Itaquiraí (-106) e Costa Rica (-102). As atividades que mais contribuíram nos municípios selecionados foram fabricação de álcool (-402), abate de reses, exceto suínos (-293), fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado (-282), fabricação de açúcar em bruto (-158), fabricação de laticínios (-131) e montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (-107).



    Fonte: ASSECOM
    Por: Daniel Pedra


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS