Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sábado, 5 de novembro de 2016

    Um terço dos deputados e senadores estão na mira do STF

    Investigação atinge ao menos 150 deputados federais

    Divulgação

    O julgamento, ainda não concluído no Supremo Tribunal Federal (STF), definindo que réus não podem concorrer às presidências da Câmara e do Senado, por estarem diretamente na linha sucessória do Palácio do Planalto, impõe um funil considerável aos candidatos a comandar deputados e senadores. Sem dados oficialmente divulgados pelo STF, a estimativa é que 30% dos congressistas estejam sobre investigação na Corte. Seriam pelo menos 150 deputados e 24 senadores, incluindo o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que responde a 12 inquéritos.

    A análise da ação movida pela Rede Sustentabilidade foi suspensa por um pedido de vistas do ministro Dias Toffoli, após receber seis votos favoráveis. “Não acredito que haja algum tipo de reversão nesse placar. Além disso, a pausa pode ser importante para que outros ministros reflitam sobre a matéria”, declarou o líder da Rede na Câmara, Alessandro Molon (RJ). “É muito razoável que parlamentares que sejam efetivamente réus não desejem comandar o Congresso”, ponderou.

    Na lista de deputados investigados, aparecem muitos que exercem posições de destaque em suas legendas ou no próprio parlamento. Um dos congressistas que respondem a ações penais no STF é o atual líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE). Contra ele correm três ações, uma por improbidade e duas por crime de responsabilidade. Na época em que foi escolhido para comandar o governo na Casa, Moura afirmou se sentir bastante tranquilo em relação às investigações e não achava que isso poderia ser um impeditivo para ele assumir o posto.

    “Acho que a medida poderia ser até mais abrangente. Não acho que parlamentares que sejam réus de fato deveriam assumir cargos de mais responsabilidade e visibilidade”, defendeu o presidente nacional do PPS, deputado Roberto Freire (SP). “A questão não é apenas estar na linha sucessória, é ter postos de destaque”, afirmou. Freire lembrou que, no serviço público, há um entendimento de que servidores investigados devem ser afastados no decorrer das apurações. “Por que essa regra não valeria para os políticos?”, questionou. Freire acha que um dos riscos é fulanizar o debate. Embora a ação da Rede no STF tenha sido batizada de Ação Renan, o presidente do PPS disse que ela poderá dar uma moralizada de maneira geral.



    Fonte: Correio Braziliense

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS