Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 18 de novembro de 2016

    Secretaria de Saúde proíbe venda de noz da índia após morte de cantora

    Produto embalado era vendido pela internet e até no Mercadão (Foto: arquivo)

    A Secretária de Estado de Saúde proibiu a fabricação e a distribuição da semente noz da índia, produto para emagrecimento que há 9 meses causou a morte da cantora gospel e estudante de psicologia Ana Cláudia Alves da Silva, 38 anos.

    A determinação publicada na manhã desta sexta-feira (18), no Diário Oficial do Estado proíbe o uso, fabricação, importação, distribuição, divulgação, publicidade e comércio das sementes da planta noz da índia.

    O documento diz ainda que deve ser apreendida e inutilizadas as unidades do produto encontradas no mercado ou exposto à venda com indicação terapêutica expressa em sua embalagem.

    O consumo da semente da planta pode resultar em quadros de intoxicação grave ou severa. Há relatos de morte e intoxicação grave em outros estados do país como São Paulo, Goiás e Espirito Santo. A planta já está proibida em países como Espanha, Austrália e Chile. 

    Claudinha Felix, como era conhecida, morreu na noite do dia 1º de fevereiro deste ano. Ela teve uma parada cardiorrespiratória quando era atendida no posto de saúde do Bairro Nova Bahia, em Campo Grande.

    Na época, os familiares relataram que, Claudinha ouviu falar da "noz da Índia" em uma academia que frequentou no ano passado. Tomou o chá do produto por cerca de 30 dias, mas, passou a apresentar quadros frequentes de falta de ar, inchaço, cansaço, fraqueza no corpo, queda de pressão e até desmaios.

    A médica gastroenterologista e hepatologista – especialista em funções digestivas e no fígado – , Luciana Araújo Bento, em entrevista, chegou a alertar que o produto não devia ser consumido em nenhuma situação.



    Fonte: campograndenews
    por: Viviane Oliveira
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/secretaria-de-saude-proibe-venda-de-noz-da-india-apos-morte-de-cantora

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS