Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 3 de novembro de 2016

    Moro aceita denúncia e ex-ministro Antônio Palocci vira réu na Lava Jato

    Esta é a primeira vez que Palocci vira réu em um processo da Lava Jato. Outras 14 pessoas também foram denunciadas por corrupção e lavagem.

    Antonio Palocci é escoltado por policiais federais enquanto deixa o Instituto de Ciência Forense em Curitiba (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)

    O juiz federal Sérgio Moro aceitou nesta quinta-feira (3) a denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra o ex-ministro Antônio Palocci e outras 14 pessoas. Com isso, todos eles se tornam réus na Operação Lava Jato. As denúncias tratam de crimes como corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro.

    Antonio Palocci foi preso no dia 26 de setembro pela 35º fase da Operação Lava Jato. Ele foi ministro da Casa Civil no governo Dilma Rousseff e ministro da Fazenda de Lula – ambos do Partido dos Trabalhadores (PT). Desde a prisão, Antonio Palocci está detido na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba.

    Entre os réus no processo, há várias pessoas que já respondem a outras ações penais na Operação Lava Jato, como o ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht e o ex-diretor de serviços da Petrobras, Renato Duque.

    Veja a lista completa dos denunciados e dos crimes:

    -Antonio Palocci - corrupção passiva e lavagem de dinheiro
    -Branislav Kontic - corrupção passiva e lavagem de dinheiro
    -Marcelo Odebrecht - corrupção ativa e lavagem de dinheiro
    -Fernando Migliaccio da Silva - lavagem de dinheiro
    -Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho - lavagem de dinheiro
    -Luiz Eduardo da Rocha - lavagem de dinheiro
    -Olivio Rodrigues Junior - lavagem de dinheiro
    -Marcelo Rodrigues - lavagem de dinheiro
    -Rogério Santos de Araújo - corrupção ativa
    -Monica Moura - lavagem de dinheiro e corrupção passiva
    -João Santana - lavagem de dinheiro e corrupção passiva
    -João Vaccari Neto - corrupção passiva
    -João Ferraz - corrupção passiva
    -Eduardo Musa - corrupção passiva
    -Renato Duque - corrupção passiva

    O MPF pediu que a Justiça Federal bloqueie R$ 284.696.735,92 de todos os acusados. O valor é correspondente a 0,9% dos contratos firmados entre a Sete Brasil e a Petrobrasx e também ao valor correspondente à lavagem de dinheiro.

    Como ressarcimento total, os procuradores solicitaram ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, que seja determinado o pagamento total de R$ 505.172.933,10, caso eles sejam condenados. Segundo o MPF, esse valor corresponde ao dobro das propinas pagas aos agentes públicos envolvidos no caso.

    Suspeitas de propina

    A 35ª fase apura a relação entre o Grupo Odebrecht e o ex-ministro Antonio Palocci. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), há evidências de que o Palocci e Branislav receberam propina para atuar em favor da empreiteira, entre 2006 e o final de 2013, interferindo em decisões tomadas pelo governo federal. O ex-ministro também teria participado de conversas sobre a compra de um terreno para a sede do Instituto Lula, que foi feita pela Odebrecht.

    "Conforme planilha apreendida durante a operação, identificou-se que entre 2008 e o final de 2013, foram pagos mais de R$ 128 milhões ao PT e seus agentes, incluindo Palocci. Remanesceu, ainda, em outubro de 2013, um saldo de propina de R$ 70 milhões, valores estes que eram destinados também ao ex-ministro para que ele os gerisse no interesse do Partido dos Trabalhadores", diz o MPF.

    As suspeitas sobre Palocci na Lava Jato surgiram na delação do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Ele disse que, em 2010, o doleiro Alberto Youssef lhe pediu R$ 2 milhões da cota de propinas do PP para a campanha presidencial da ex-presidente Dilma Rousseff. O pedido teria sido feito por encomenda de Palocci. Youssef está preso na PF em Curitiba e já foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato.



    Do G1 PR e da RPC
    Por: Samuel Nunes e José Vianna


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS