Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 17 de novembro de 2016

    Ex-presidente da Andrade muda versão de propina a chapa de Dilma

    A então presidente Dilma Rousseff (PT), com Michel Temer (PMDB), à época seu vice - Ruy Baron - 05.out.2015/Valor/Folhapress

    O executivo Otávio Marques de Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, prestou novo depoimento ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nesta quinta-feira (17) e, segundo advogados, mudou a versão dada anteriormente: afirmou que não houve propina para a campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014.

    O depoimento foi tomado pelo ministro Herman Benjamin no âmbito de uma ação movida pelo PSDB que investiga irregularidades na campanha da chapa eleita.

    Em setembro, Azevedo havia dito ao TSE que R$ 1 milhão que entrou no caixa da campanha de Dilma e Temer foi proveniente de um pagamento de propina feito em março de 2014, antes do período eleitoral, ao diretório nacional do PT.

    Agora, segundo advogados de defesa e de acusação que presenciaram o novo depoimento, Azevedo "retificou" sua versão e afirmou ter se confundido quanto à natureza da doação, que teria sido lícita.

    A mudança no teor do depoimento ocorre após a defesa de Dilma demonstrar no processo que o R$ 1 milhão chegou ao caixa da campanha por meio do PMDB de Temer, e não do PT, como a Folha revelou no último dia 9.

    A informação de que a doação desse valor supostamente ilegal tinha sido feita via PMDB poderia trazer prejuízos ao governo de Temer e, no pior cenário, até sua cassação. O PMDB tem sustentado que as campanhas da então candidata a presidente e do candidato a vice eram independentes.

    Depois de depor por cerca de duas horas, Azevedo saiu sem falar com a imprensa. "Da minha parte, estou bastante tranquilo, como vejo que tem que ser. As coisas são o que são, vamos continuar olhando para a frente", limitou-se a dizer.

    Retratação

    O advogado da campanha de Temer, Gustavo Guedes, disse que o novo depoimento de Azevedo foi uma "retificação" justificada por uma "confusão".

    "Ele apresentou a nova versão, dizendo que se equivocou e que, ao contrário do que disse, não houve da Andrade Gutierrez nenhum valor de propina para a campanha presidencial de 2014. Nem para a Dilma, nem para o PMDB, nem para a chapa", afirmou Guedes.

    Segundo Guedes, Azevedo justificou o erro dizendo que, apesar de ter feito a doação para o candidato a vice, recebeu recibos eleitorais emitidos pelo PT e assinados pelo então tesoureiro petista, Edinho Silva. "O vice-presidente pode arrecadar, abre conta e arrecada, mas ele não tem condição de emitir recibo eleitoral. Esse recibo era feito pelo PT, daí, então, essa confusão dele de R$ 1 milhão", disse.

    "Dos 25 testemunhos de acusação, [o de Azevedo] era o único que dizia que tinha alguma irregularidade na campanha. Hoje cai por terra toda e qualquer acusação de irregularidade na arrecadação de campanha de Dilma e Michel Temer", afirmou o advogado da campanha de Dilma, Flávio Caetano.

    Tanto Caetano como Guedes disseram que o único depoimento que afirmava ter havido dinheiro de propina na campanha da chapa eleita em 2014 era o de Azevedo.

    "Olhando os documentos, ele [Azevedo] percebeu que errou, trouxe uma informação equivocada, que aquele R$ 1 milhão não tinha origem em nenhum pagamento irregular ao PT e, sim, em uma doação voluntária que fez ao PMDB", disse Caetano.

    Questionado sobre a existência de propina, em geral, da Andrade Gutierrez para o PT, Caetano respondeu que o que interessa ao TSE é apenas a campanha presidencial. "Em relação à campanha ficou muito claro que não houve nenhuma irregularidade."

    Advogado do PSDB responsável por mover a ação no TSE, José Eduardo Alckmin disse que a Justiça deverá levar em conta "o conjunto da obra", e não somente esse depoimento.

    "O fato é que houve durante muito tempo dinheiro de caixa dois, inclusive abastecendo o partido da presidente Dilma. Aí, realmente, causa a necessidade de um exame bem apurado para ver se esse dinheiro não terá incidido na campanha eleitoral", disse Alckmin.





    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS