Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 3 de novembro de 2016

    Discurso com citação de PT causa nova discussão entre petista e tucana

    Kemp e Mara voltaram a discutir em plenário

    deputado estadual Pedro Kemp (PT) - Divulgação/ALMS

    As opiniões divergentes entre o deputado estadual Pedro Kemp (PT) e Mara Caseiro (PSDB) são evidentes por vários embates que já tiverem em plenário. Na sessão desta quinta-feira (3), ocorreu mais um desses confrontos. Kemp usou a tribuna para expor sua opinião sobre as invasões de escolas contra a reforma do Ensino Médio. Mara em seguida usou da palavra para rebater o assunto e o clima ficou tenso entre os dois.

    O parlamentar petista deixou claro que apoia as ocupações por ser de forma pacifica. “A reação contra as medidas propostas pelo governo Michel Temer deveria ter vindo das centrais sindicais e dos movimentos sociais. No entanto, o protesto partiu dos alunos do Ensino Médio e dos universitários. As medidas se tratam de um verdadeiro retrocesso para o Brasil”.

    Em meio ao seu discurso parlamentar lembrou que muitos foram as ruas cobrar a saída da presidente Dilma e agora ninguém mais se manifesta desta forma, como se o problema fosse só o PT, como sempre. “Estou vendo as ocupações sendo ordeiras, mas como tem pessoas de camisa vermelhas são vistas como perigosas, assim como todos do PT. Temos que cobra este governo de Temer, tem muita cosia sendo prestes a ser aprovada que vai prejudicar a todos nós”.
    deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) - Divulgação/ALMS

    A deputada Mara Caseiro usou a tribuna na sequência e demonstrando indignação em voz alta discordou da fala do colega petista. “O governo Michel Temer quer retomar a ordem do País. As ocupações são para trazer baderna nas escolas e que já levaram a morte de um jovem de 17 anos. Lamento profundamente este fato. Não é justo com aqueles que querem estudar e estão sendo obrigados a não ir por conta das invasões”, afirmou a parlamentar.

    “Vim aqui falar que são ocupações pacíficas não é verdade, estão fazendo baderna. E com relação ao PT, todos nós sabemos que o partido da ex-presidente Dilma acabou com nossos país e Temer está tentando recuperar”, destacou Mara.

    Em meio a sua fala, Kemp pediu a parte e ela não concedeu, o que causou tumulto na sessão, por Pedro tentar falar por toda a lei e não foi permitido. Ele então falou por várias vezes, “cade a democracia”. Neste momento só quem pode, segundo o regime to da casa, conceder um a parte é a pessoa que esta falando, que no caso era Mara. Diversos deputados entraram no meio, defendo um e o outro, mas por fim os ânimos foram acalmados, após alguns gritos e demonstração de nervosismo.

    Logo depois, Kemp pediu novamente o uso da palavra para responder a fala que havia solicitado e quando a colega pediu para falar ele ironizou dizendo “democraticamente eu lhe concedo a palavra”. Neste momento, estavam mais calmos e na saída inclusive se cumprimentaram. Neste segunda fala, Kemp voltou a lembrar do juiz Sérgio Moro e que ele as vezes manda prender somente petista, coo se fosse só esse o problema do país.

    Durante a segunda fala de Kemp, o deputado Amarildo Cruz, que também é do PT disse que a atitude da juventude brasileira deve ser aplaudida. “A juventude mostra sua consciência política. Nessas manifestações, os estudantes demonstram coragem e autoridade de cobrar da classe política para que não sejam comprometidos o presente e o futuro da Nação”.

    O parlamentar Eduardo Rocha (PMDB) também utilizou a fala ao final e revelou não ser contra as manifestações, desde que não interfira no direito de modo geral. “Não sou contra as manifestações, desde que não firam e atinjam os direitos coletivos. Quanto a Moro, acho que todos temos que ter respeito a ele e sem dúvida ele deve investigar todos os partidos e prender caso seja comprovado”.


    Fonte: Midiamax
    Por: Mariana Anjos
    Link original: http://www.midiamax.com.br/politica/discurso-citacao-pt-causa-nova-discussao-entre-petista-tucana-320991


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS