Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 16 de novembro de 2016

    Aumenta número de doadores de órgãos em 2016

    Divulgação

    De janeiro a outubro deste ano, a CIHDOTT (Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes) da Santa Casa registrou um aumento no número de doadores de órgãos e tecidos, comparando-se ao mesmo período do ano passado. No ano de 2015, aconteceram oito captações e, em 2016 foram realizadas 24 captações de órgãos. Nota-se um número três vezes maior que do ano anterior. 

    No ano de 2015, foram registradas na Santa Casa 79 mortes encefálicas, 37 entrevistas, 29 recusas de familiares, oito captações de órgãos e os demais não tinham condições clínicas adequadas. Destas captações foram doados 15 rins e quatro fígados. 

    Em 2016, os números subiram drasticamente para 107 mortes encefálicas, 56 entrevistas, 24 doações, 32 recusas familiares e as demais não ofereciam condições clínicas. Foram 42 rins captados, 12 fígados e seis corações. 

    Comparando somente o mês de outubro, em 2015 não houve nenhuma doação e em 2016 aconteceram quatro captações. De oito mortes encefálicas no ano passado passou para 12 neste ano, de quatro entrevistas para seis e as recusas familiares diminuíram de quatro para duas em 2016. 

    Para a coordenadora da CIHDOTT, Ana Paula das Neves, os números representam o esforço que a equipe realiza diariamente. “O aumento no número de doadores é reflexo de um maior envolvimento e preparo da equipe e melhora na qualidade do atendimento prestado aos familiares na hora da dor. Os números representam os esforços que a equipe realiza para poder desenvolver um trabalho que possa atender os pacientes que aguardam por um transplante em nosso Estado e em todo País”. Investimentos estão sendo feitos na captação por conta do fato do hospital retornar à atividade de transplantes ainda neste mês.

    A CIHDOTT desenvolve uma educação permanente com os funcionários da instituição, esclarecendo sobre a importância do diagnóstico de morte encefálica, a manutenção do potencial doador e o acolhimento familiar. Neste ano, segundo dados da ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos), Mato Grosso do Sul está em quarto colocado em número de potenciais doadores por milhão de pessoas e entre os 10 primeiros estados em número de doadores efetivos por milhão de pessoas. 



    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS