Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 25 de outubro de 2016

    Simpósio dissemina aplicação de geotecnologias no Pantanal

    Divulgação

    A aplicação das geotecnologias no estudo e preservação do bioma pantaneiro ainda é um desafio para os pesquisadores e instituições do País. Durante a abertura do 6º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal - 6º GeoPantanal, ocorrida neste domingo (23), o pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP) João dos Santos Vila da Silva apresentou uma retrospectiva dos dez anos de realização do simpósio.

    Nesse período, foram realizadas uma série de cursos, palestras e exposições de trabalhos técnicos com o objetivo de divulgar resultados de pesquisa e incentivar a integração e o trabalho conjunto entre as universidades, estudantes e profissionais que atuam na região. Para os organizadores do simpósio, essas parcerias são fundamentais para superar dificuldades tanto de pessoal capacitado quando de recursos financeiros para a realização das pesquisas.

    Para o secretário-executivo da Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema), André Torres Baby, presente ao evento, é importante valorizar o trabalho das instituições na organização do GeoPantanal, especialmente nesse momento difícil por que passa o País. As geotecnologias são instrumentos que subsidiam políticas públicas e é fundamental que essas informações sejam repassadas aos órgãos de governo para que se façam políticas mais uniformes que ajudem a preservar o bioma, fazer uma boa gestão ambiental e beneficiar o cidadão, explicou o secretário.
    Divulgação

    Difundir esse conhecimento é primordial para a gestão e a tomada de decisão, de acordo com o pró-reitor de pesquisa e pós-graduação da Unemat, Rodrigo Bruno Zanin. Ele também reforçou a importância de discutir geotecnologias no estado de Mato Grosso. O professor Aguinaldo Silva, da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), destacou os bons resultados gerados pelo simpósio na disseminação das geotecnologias para a região, possibilitando estreitar parcerias com instituições locais dos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. 

    O vice-reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Evandro Aparecido Soares da Silva, falou da relevância dos trabalhos de pesquisadores, estudantes e profissionais que atuam nas regiões de áreas úmidas e nas bacias do Pantanal e da Amazônia. "Se nós não começarmos a discutir tecnologias, questões ambientais, sustentabilidade, tanto para o geoprocessamento quanto para a sociedade que vive nessas comunidades, quem poderá fazer?", questionou. 
    Divulgação

    Além dos resultados científicos, o simpósio traz grande oportunidade de estabelecer vínculos, trocar ideias e inclusive firmar parcerias, lembrou o chefe-substituto da Coordenação-Geral de Observação da Terra do instituto, Flávio Pozzoni. A tradição e a experiência do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em organizar esses eventos de popularização do conhecimento também foram ressaltadas. 

    "Mais do que a questão tecnológica e científica que se discute aqui, temos a certeza de que os resultados dos trabalhos apresentados trazem propostas e soluções para os problemas ambientais do Pantanal", disse Giampaolo Queiroz Pellegrino, chefe de pesquisa e desenvolvimento da Embrapa Informática Agropecuária. As atividades de agricultura e mineração, por exemplo, causam diversos impactos no bioma e por isso as geotecnologias são ferramentas que integram informações essenciais para realização de análises que apoiem o desenvolvimento sustentável do bioma. 
    Divulgação

    Para o diretor-geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT), Nelson Suzuki, é grande a contribuição do GeoPantanal no intercâmbio de conhecimento e difusão tecnológica. Como parceiros do evento pela primeira vez, o IFMT buscou despertar o interesse dos alunos por esse tema multidisciplinar, inclusive sediando oficinas e cursos técnicos que integraram a programação do simpósio.

    O 6º GeoPantanal ocorre até 26 de outubro, em Cuiabá (MT), com a participação de cerca de 200 pessoas, que vão apresentar em torno de 100 trabalhos técnico-científicos. Desde a primeira edição, já foram produzidos 700 trabalhos completos. O simpósio é promovido pela Embrapa Informática Agropecuária, Inpe, UFMS e Unemat, em colaboração com a UFMT e o IFMT.
    Divulgação
    Divulgação



    Fonte: ASSECOM
    Por: Nadir Rodrigues

    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS