Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 5 de outubro de 2016

    Programa Criança Feliz deve atender mais de 4 milhões de crianças beneficiárias do Programa Bolsa Família até 2018

    Objetivo é acompanhar e promover o desenvolvimento das crianças nos primeiros mil dias de vida

    Presidente Michel Temer e a Primeira-dama Marcela Temer durante cerimônia de Lançamento do Programa Criança Feliz. (Brasília - DF 05/10/2016) - Foto: Carolina Antunes/PR

    Nesta quarta-feira (5), o presidente da República, Michel Temer, lançou, em Brasília, o Programa Criança Feliz. A iniciativa, coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, tem o objetivo de promover o desenvolvimento infantil.

    Segundo a primeira-dama Marcela Temer, embaixadora do Programa, a proposta é sensibilizar e mobilizar diversos setores da sociedade para garantir a melhoria na vida das pessoas, com o desenvolvimento das crianças nos primeiros mil dias de vida, fase de maior aprendizado e formação de personalidade. “Quem ajuda os outros muda histórias de vida, por isso, fico feliz em ajudar. Temos um compromisso no presente para que o futuro de todos seja melhor”, concluiu Marcela Temer.

    Em seu discurso, o presidente Michel Temer ressaltou que “o governo tem feito o possível para zelar pelo bem estar da sociedade especialmente pelos segmentos mais frágeis, como aqueles que estão em condição de extrema pobreza atendidas pelo Bolsa Família – Programa de muito êxito que tem que ser preservado e incentivado”, pontuou.

    Novo Programa

    Sobre o novo programa, Temer afirmou que “o Criança Feliz visa exatamente o amparo à criança no período de formação – além de reforçar a rede de proteção social não apenas no presente, mas para aqueles que vão dirigir o País no futuro”.

    Por fim, Temer citou ainda que “o Brasil passa por extraordinárias modificações desde a criação do novo Estado Brasileiro, em 5 de outubro de 1988. E, hoje, inclusive, comemoramos 28 anos da nova Constituição Federal do Brasil”, disse.



    Fonte: ASSECOM/SIP

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS