Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 20 de outubro de 2016

    Prisão de Cunha é 'notícia triste', mas não afeta votações, diz Rodrigo Maia

    'Nunca é um momento feliz para ninguém', disse presidente da Câmara. Deputado cassado foi preso nesta quarta em Brasília e levado para Curitiba.

    Divulgação/Arquivo

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quinta-feira (20) que a prisão do ex-presidente da Casa e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é uma “notícia triste”, mas que não influenciará as votações.

    Eduardo Cunha foi preso nesta quarta-feira (19), em Brasília, e levado para Curitiba, onde ficará à disposição de investigadores e do juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal. Nesta quinta, Cunha foi levado para fazer exame de corpo de delito, depois de passar a noite isolado em uma cela da carceragem da Polícia Federal.

    “É sempre uma notícia triste. Ele foi deputado conosco, foi presidente da Câmara. Então, a prisão de um ex-deputado e ex-presidente da Casa nunca é um momento feliz para ninguém”, afirmou Maia.

    Ao ser questionado sobre o efeito da prisão de Cunha sobre as votações na Câmara, onde o ex-deputado ainda tem vários aliados. “Eu acredito que não atrapalha [as votações]. Pelo que estou ouvindo dos parlamentares, não acredito que exista nenhum tipo de influência nas votações da Câmara”, declarou.

    No início da tarde desta quarta, a notícia da prisão do ex-deputado teve repercussão imediata no Congresso momentos após ter sido divulgada. No plenário da Câmara, os parlamentares se preparavam para concluir uma votação, mas a tribuna foi dominada pelos discursos sobre a prisão. Sem que a votação fosse concluída, a sessão acabou sendo encerrada, assim como o funcionamento de outras comissões com reuniões previstas para o dia.

    Nos bastidores, o receio é que, preso, Cunha possa vir a fazer um acordo de delação premiada no qual acuse políticos e integrantes do governo.

    Nesta quinta, a sessão da Câmara é destinada a debates e, até a última atualização desta reportagem, Cunha era o assunto principal.

    Sobre a hipótese de Cunha entregar outros parlamentares em uma evental delação, Rodrigo Maia disse não estar preocupado.

    ""Eu não recebi nenhum recado. E não tenho nenhum problema. A minha relação com o deputado Eduardo sempre foi política. Entendo a situação que ele vive, mas, do meu ponto de vista, ele pode falar tudo aquilo que ele entender que tem que falar", afirmou.

    Na sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que julgou o recurso de Cunha no Conselho de Ética, o ex-presidente da Câmara chegou a dizer aos demais deputados que o ouviam: "Hoje, sou eu, amanhã, podem ser vocês".

    Nos bastidores, ele também teria enviado recados por meio de aliados afirmando que as primeiras revelações que faria seriam contra Moreira Franco, secretário do governo Michel Temer, e Rodrigo Maia.

    Em relação ao apartamento funcional que Cunha estava usando e ainda não devolveu à Câmara, Maia defendeu que o assunto não seja "polemizado" e disse acreditar que, em breve, isso será resolvido.



    Do G1, em Brasília
    Por: Fernanda Calgaro

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS