Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    domingo, 30 de outubro de 2016

    Marquinhos Trad (PSD) é eleito prefeito de Campo Grande

    Deputado estadual venceu Rose Modesto, do PSDB. No primeiro turno, Marquinhos ficou em 1º lugar na disputa.

    Marquinhos ao votar pela manhã em Campo Grande (Foto: Alcides Neto)

    Marquinhos Trad (PSD) foi eleito prefeito de Campo Grande neste domingo (30), em segundo turno. O resultado foi confirmado às 17h45 (horário local), com 97% das urnas apuradas. A apuração foi concluída às 18h14. Com a apuração completa, o candidato do PSD teve 241.876 votos válidos, o que corresponde a 58,77%. Rose Modesto (PSDB) teve 169.660 votos, o que corresponde a 41,23%. Ao todo, 462.307 eleitores compareceram às urnas, e 132.865 se ausentaram. O segundo turno registrou ainda 3,03% de votos brancos e 7,95% de votos nulos. Clique aqui e confira a apuração completa do segundo turno em Campo Grande.

    A vitória de Marquinhos recoloca a família Trad, uma das mais tradicionais da política sul-mato-grossense, no comando da prefeitura de Campo Grande. Seu irmão, Nelson Trad Filho, foi prefeito por duas gestões, entre 2005 e 2012. De quebra, impede que o PSDB assuma a gestão ao mesmo tempo do governo do estado e da capital.

    Ao chegar à sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) após a confirmação da vitória nas urnas, Marquinhos Trad falou aos jornalistas que o aguardavam no local. "Vamos fazer a melhor administração para essa cidade, com toda independência. Vamos acabar com a briga entre prefeito e vice, não vamos ter operação Coffee Break. Agora política em Campo Grande vai estar em destaque pelo bem", disse.

    Campanha

    Desde o início da campanha as pesquisas apontaram que a eleição em Campo Grande seria decidida em um segundo turno. Marquinhos liderou os levantamentos realizados pelo Ibope, com Rose Modesto ficando em segundo.

    Nas últimas duas semanas de campanha antes do primeiro turno, houve o acirramento do discurso dos candidatos. As críticas recaíram principalmente sobre a gestão do atual prefeito e candidato a reeleição, Bernal, no que se refere a aspectos de infraestrutura do município, como a operação tapa-buracos nas vias, e aos serviços de saúde.

    Os dois candidatos que lideraram as pesquisas também passaram a ser alvos de várias críticas e denúncias. Trad, por exemplo, foi questionado sobre a ligação de familiares com a operação Coffee Break, um suposto esquema para cassar o mandato de Bernal e também sobre seu trabalho na Assembleia Legislativa do estado.

    No primeiro turno, Marquinhos teve 147.694 votos, o que corresponde a 34,57% dos votos válidos e Rose recebeu 113.738 votos, o equivalente a 26,62%.

    No segundo turno, Marquinhos obteve o apoio do candidato derrotado à prefeitura pelo PP, o atual prefeito da cidade Alcides Bernal. Ele, inclusive, assinou um documento do PP com 11 compromissos. Entre eles: compromisso com ética, respeito ao dinheiro público; compromisso com término e qualidade de obras em andamento; compromisso com transparência; compromisso com eficiência da máquina pública e valorização dos servidores.
    Reprodução/TRE

    Durante todo o segundo turno, o candidato do PSD manteve a liderança nas pesquisas de intenção de voto do Ibope. No último levantamento, divulgado no dia 28, ele obteve 55% dos votos válidos contra 45% de Rose.

    Biografia

    Marcos Marcello Trad, conhecido como Marquinhos Trad, é filho do ex-deputado federal Nelson Trad e da professora Therezinha Mandetta Trad. Ele é casado, pai de quatro filhas:Andressa, Aline, Mariana e Alice, e nasceu em 28 de agosto de 1964.

    Formado em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), tornou-se advogado há mais de 20 anos. Já foi conselheiro estadual da Ordem dos Advogados do Brasil seccional de Mato Grosso do Sul (OAB/MS) e presidente da Comissão de Ética e Disciplina da entidade.

    Atuou ainda como diretor do ex-Instituto Meritum de Mato Grosso do Sul, diretor do Departamento Jurídico do Rádio Clube de Campo Grande e secretario de Assuntos Fundiários de Campo Grande.

    Também foi presidente do Tribunal de Justiça Desportiva de Mato Grosso do Sul (TJD/MS). Ele também compôs o corpo docente do curso de Direito das universidades: UCDB, Estácio de Sá e Facsul e titular dos cursos de pós-graduação das instituições: Uniderp e Unaes.

    Em 2004 se candidatou ao cargo de vereador por Campo Grande. Foi eleito com 11.045 votos, se tornando o mais votado para a Câmara Municipal daquele ano. Dois anos depois, em 2006, disputou uma vaga para a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Foi o quinto deputado estadual mais votado, com 35.777 votos.

    Já em 2010, foi mais uma vez eleito para a Assembleia Legislativa. Foram 56.287 votos. O mais votado da história de Mato Grosso do Sul. Em 2014 foi reeleito com 47.015 votos.

    Propostas

    Entre as principais propostas defendidas pelo candidato em seu programa de governo estão várias ações na área de saúde, como, por exemplo: adotar postura contrária a qualquer tipo de privatização ou terceirização no setor, ampliar a cobertura da estratégia de saúde da família, ampliar a rede de atendimento psicossocial, construir o laboratório municipal de exames e reestruturar e ampliar os serviços do Centro de Controle de Zoonoses, entre outras.

    Na educação, defendeu a construção, reforma e conclusão das obras inacabadas de centros de educação infantil e de escolas, entre outras ações; na habitação propôs a regularização fundiária de áreas pendentes, a captação de recursos externos para a o setor, maior transparência nos sorteios das unidades habitacionais e ainda um projeto especificamente para atender os idosos.

    Já na área de segurança o prefeito eleito apresentou entre suas propostas durante da campanha, uma restrutura da Guarda Municipal a transformando em Polícia Metropolitana, um diagnóstico da situação da violência nos bairros e ações integradas com o governo do estado.

    Na gestão, propôs concursos públicos para preencher os cargos vagas em várias áreas e na mobilidade, entre várias medidas, e mobilidade urbana, assegurou uma revisão da hierarquização viária da cidade, a instalação de coberturas nos pontos de ônibus, o recapeamento e recuperação das vias asfaltadas e ampliação da malha de ciclovias.

    Para a área de produção, emprego e geração de renda, Marquinhos apresentou como projetos durante a disputa eleitoral, o fortalecimento do Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico, o estabelecimento de parcerias para a qualificação de mão de obra, a retomada das obras do porto seco e a criação de um parque tecnológico voltado as cadeias produtivas do estado.



    Do G1 MS

    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS