Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    domingo, 30 de outubro de 2016

    Eleição começa com desesperança e baixa procura dos eleitores

    Pouca gente esperava abertura da votação no colégio Joaquim Murtinho. (Foto: Fernando Antunes)

    Grandes locais de votação registram baixa procura do eleitorado no começo deste segundo turno em Campo Grande. Comparado a primeira etapa do pleito, realizada em 2 de outubro, as filas são bem menores.

    Entre quem chegou no primeiro horário estão pessoas que têm tradição de votar logo na abertura das seções e quem tem compromisso durante o domingo. O segundo turno acontece após uma sexta-feira em que os servidores estaduais tiveram ponto facultativo.

    Por volta das 7h30, apenas uma pessoa aguardava a liberação das urnas na escola estadual Lúcia Martins Coelho, na rua Bahia. O funcionário publico aposentado Antônio Augusto, 75 anos, conta que chegou cedo para acompanhar a esposa, que é mesária. Ele relata que ficou descontente com o segundo turno devido ao custo financeiro de mais uma eleição.

    No colégio Joaquim Murtinho, na avenida Afonso Pena, apenas cinco pessoas aguardavam às 7h40 pela abertura dos portões. Ao todo, 12 pessoas estavam na calçada, mas os demais eram fiscais.

    Neuza Soares de Souza, 65 anos, conta que pegou o primeiro ônibus neste domingo. “Voto cedinho em todas as eleições porque acho mais rápido e tem pouca gente. Apesar de ter vindo cedo, estou desesperançosa com a política. Não acredito mais nas promessas”, diz.

    Aos 19 anos, o estudante Leandro dos Santos compartilha o mesmo descontentamento. “O cenário político é desesperançoso”, afirma. Os dois colégios estavam limpos, sem material de campanha pelo entorno.

    Em Campo Grande, 595.172 pessoas voltam às urnas neste domingo para escolher entre Marquinhos Trad (PSD) e Rose Modesto (PSDB), que disputam a prefeitura.



    Fonte: campograndenews
    Por: Aline dos Santos, Yarima Mecchi e Julia Kaifanny
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/politica/eleicao-comeca-com-desesperanca-e-baixa-procura-dos-eleitores


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS