Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 3 de outubro de 2016

    Dono de 26% dos votos, Bernal será fator decisivo no segundo turno

    Bernal perdeu reeleição, mas tem votos cobiçados para o segundo turno. (Foto: Alcides Neto)

    Dono de 111.128 votos, o atual prefeito, Alcides Bernal (PP), caminha para ser decisivo no segundo turno em Campo Grande, que será disputado por Marquinhos Trad (PSD) e Rose Modesto (PSDB). Nesta segunda-feira (3), Bernal ainda avalia se fica neutro ou declara apoio a um dos concorrentes.

    “Ainda não decidi. Vou me reunir com o grupo político para analisar o que deve ser feito. Tenho que administrar até 31 de dezembro, isso que a responsabilidade me exige. Mas assim que houver decisão, vou anunciar em coletiva”, diz.

    A coligação “Juntos por Campo Grande”, liderada por Rose, começará a busca de apoios por Bernal. “Vamos procurar todos os partidos, começando pelo Bernal. Ele é muito importante, decisivo. Temos muito o que conversar com ele. Quem quiser o melhor por Campo Grande vem com a gente”, diz Carlos Alberto Assis, que coordena a campanha de Rose.

    A assessoria de imprensa do candidato Marquinhos Trad informa que ele participa de reunião na manhã de hoje e só então vai anunciar quais apoios buscará neste segundo turno.

    Votos 

    Campo Grande teve 15 candidatos a prefeito no primeiro turno. Marquinhos ficou com 34,57% (147.694 votos), seguido por Rose, que teve 26,62% (113.738 votos); e Bernal, cujo resultado foi 26,01% (111.128 votos. Os demais concorrentes somados chegam a 57.041 votos, ou seja, inferior ao resultado de Bernal.
    Coronel David teve 4,83% dos votos e já foi procurado por Marquinhos. (Foto: Alcides Neto)

    Na sequência, as urnas mostram Carlos Alberto David dos Santos, o Coronel David (PSC), com 4,83% (20.631 votos). “O Marquinhos já tentou falar comigo sobre apoio no segundo turno, mas a decisão deve ficar para amanhã. Tenho que falar com o pessoal que me ajudou na campanha”, afirma o deputado estadual e ex-comandante da Polícia Militar.

    Ele afirma que ficou satisfeito com o desempenho. Mesmo enfrentado uma campanha com pouco tempo de propaganda na televisão. “Fiz um trabalho propositivo, sem ataques, não tive que ceder tempo nem direito de resposta a outros candidatos”, afirma.
    Marcelo Bluma (PV) deve decidir entre hoje e amanhã quem apoiar no segundo turno. (Foto: Alcides Neto)

    O candidato do PV, Marcelo Bluma obteve 2,51% (10.707 votos), também considerou satisfatória a sua participação no primeiro turno das eleições. "Fizemos uma campanha programática, com uma boa coligação. É claro que com uma disputa polarizada fica difícil conseguir uma votação expressiva. Mas ficamos em frente a outras candidaturas fortes, como a do PT", afirma.

    Sobre o apoio no segundo turno, Marcelo Bluma diz que vai se reunir com quem esteve na campanha no primeiro turno e entre esta segunda-feira (3) e terça-feira (4) devem chegar a uma decisão. "A partir de hoje vamos avaliar quem apoiar no segundo turno. Vou passar o dia inteiro fazendo contato com os integrantes do PV e da REDE para decidirmos se vamos apoiar alguém".

    Em seguida, Alex do PT, ficou com 1, 99% (8.482 votos). Athayde Nery (PPS) teve resultado de 0,93% (3.965 votos). O candidato Aroldo Figueiró (PTN) aparece com 0,76% (3.231 votos). Pedro Pedrossian Filho (PMB) obteve 0,57% (2.416 votos). Lauro Davi (Pros) ficou com 0,45% (1.943 votos). Adalton Garcia (PRTB) obteve 0,38% (1.607 votos), seguido por Suél Ferranti (PSTU), que aparece com 0,31% (1.320 votos).

    Elizeu Amarilha (PSDC) teve 0,05% (200 votos). Estreante nas eleições, José Flávio Arce (PCO) ficou com 0,04% (158 votos). Os votos da candidata Rosana Santos (Psol) não foram divulgados (Psol). Mas, conforme consulta ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ela totalizou 2.351 votos, que estão sub judice.




    Fonte: campgorandenews
    Por: Aline dos Santos e Richelieu de Carlo
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/politica/dono-de-26-dos-votos-bernal-sera-fator-decisivo-no-segundo-turno

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS