Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 24 de outubro de 2016

    ALMS e Cassems unidas para combate do câncer de mama e de útero

    Unidade móvel do Projeto de Prevenção do Câncer está no estacionamento da Casa de Leis - Foto: Victor Chileno

    Dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, revelam que foram registrados 57.960 casos novos de câncer de mama e 16.340 de colo do útero ao longo de 2016. Nesta segunda-feira (24/10), a Assembleia Legislativa e a Caixa de Assistência dos Servidores de Mato Grosso do Sul (Cassems) estão disponibilizando exames de mamografia e preventivo na unidade móvel do Projeto de Prevenção do Câncer.

    “As estatísticas revelam a necessidade de reforçar as recomendações para os exames preventivos. A Campanha Outubro Rosa visa disseminar informações sobre a doença, bem como as orientações quanto ao tratamento. O câncer de mama é o mais comum entre as mulheres do Brasil e do mundo, respondendo por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. Os dados justificam a necessidade de trazermos a unidade móvel para que as servidoras da Assembleia Legislativa possam realizar os exames”, destacou Ignez Charbel Stephanini, responsável pelo Centro de Saúde.

    De acordo com Sonilza Lima, responsável pelo projeto junto à Cassems, a unidade móvel já percorreu todo o interior do Estado, atendendo mais de 20 mil mulheres. “Constatamos que já diminuíram os tratamentos de câncer. Quero parabenizar a Assembleia Legislativa pela iniciativa, pois as servidoras usam seu tempo para o trabalho e o restante para a família, esquecendo de cuidar de si. Levar a unidade móvel [ao estacionamento da Casa de Leis] demonstra a preocupação do Poder Legislativo com a saúde de suas funcionárias”.

    Quem procura acha, e quem acha trata

    A enfermeira Maria Aparecida Alves da Rocha explicou que ainda existe um tabu entre as mulheres, especialmente quanto ao preventivo (papanicolau). “São exames simples e que previnem muitas doenças. É preciso quebrar esse tabu, que trazemos desde a época das nossas avós. Muitas mulheres falam que quem procura acha e acrescentamos que, quem acha, trata. Essa oportunidade é única, pois na rede pública esses exames demoram até 60 dias. E no próximo dia 20 de novembro os resultados já estarão disponíveis para as servidoras na Assembleia Legislativa”, ressaltou.

    Em 2014, a servidora Carolina Assis descobriu cinco nódulos no seio e retirou um de seis centímetros. “É um momento muito difícil para todas as mulheres. Graças a Deus, o resultado foi benigno e devo acompanhar a cada seis meses. Essa iniciativa da Assembleia Legislativa foi de grande relevância, pois economizei com o exame de mamografia”.

    Para Nayara de Matos Rodrigues, prevenir é o melhor remédio. “Trazer para a Assembleia Legislativa a unidade móvel é uma medida válida para que as servidoras cuidem da saúde. A prevenção é o melhor remédio. Sabendo que estamos bem, rendemos melhor no trabalho”, disse. 

    A campanha Outubro Rosa foi instituída pela Lei 4.541/2014, de autoria do 1º secretário, Zé Teixeira (DEM), e co-autoria de Mara Caseiro (PSDB) e da ex-deputada Dione Hashioka. O objetivo é incentivar ações preventivas à integridade da saúde da mulher no Estado. “O Outubro Rosa é um modo a divulgar e incentivar a procura das mulheres pelos exames preventivos em postos de saúde e hospitais. Sabemos que fazer os exames salva vidas”, comentou Zé Teixeira.



    Fonte: ASSECOM
    Por: Heloíse Gimenes 


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS