Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 16 de setembro de 2016

    VÍDEO| Eduardo Cunha é chamado de "safado" e "ladrão" em aeroporto de Brasília

    Deputado cassado cruzou o saguão calmamente, sem reagir aos protestos

    ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) - Reprodução/TVCâmara


    O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi chamado de "safado" e "ladrão", entre outros xingamentos, na noite desta quinta-feira (15), ao cruzar o saguão do Aeroporto Internacional de Brasília. Algumas pessoas que assistiam à hostilização ao deputado cassado passaram a gritar, em coro, "Fora, Cunha!".

    No vídeo, um homem grita enquanto Cunha calmamente sem reagir às provocações: "Vai embora, safado. Você não vai ter paz aqui, não. A gente vai te expulsar do país, em cada restaurante. Você não vive mais aqui, safado! Cheira a enxofre", bradou o manifestante.

    Uma mulher também grita, na direção do deputado, que "lugar de ladrão é na cadeia".

    Eduardo Cunha teve seu mandato cassado na última segunda-feira (12) por 450 votos a 10, além de 9 abstenções. Após a votação, enquanto o peemedebista deixava o plenário, cercado por seguranças, parlamentares da oposição gritavam "Fora, Cunha!". 

    O processo contra Cunha teve origem com uma representação protocolada por representantes do Psol e da Rede Sustentabilidade no dia 13 de outubro de 2015. Cunha estava afastado das funções de deputado federal desde maio deste ano e esteve afastado também da presidência da Casa até 7 de julho, quando renunciou ao cargo.

    No Conselho de Ética, o deputado Fausto Pinato (PP-SP) foi escolhido relator do parecer no dia 5 de novembro do ano passado. À época, Pinato apresentou seu parecer preliminar pela continuidade do processo contra Cunha em 24 do mesmo mês, mas teve de deixar a relatoria depois de o vice-presidente, Waldir Maranhão (PP-MA), aceitar recurso contra sua escolha por ser do mesmo bloco partidário do PMDB, formado no início da legislatura. Na época, Pinato pertencia ao PRB.

    Em 9 de dezembro de 2015, o deputado Marcos Rogério assumiu a relatoria e, após vários recursos no andamento do processo, o parecer foi aprovado pelo Conselho de Ética, por 11 votos a 9, em 14 de junho de 2016.

    Em 23 de junho foi apresentado recurso regimental à CCJ contra essa decisão do conselho. Entre os argumentos constavam cerceamento do direito de defesa, aditamento de denúncias novas ao processo e parcialidade do presidente do conselho, deputado José Carlos Araújo (PR-BA).

    A CCJ finalizou o julgamento do recurso em 14 de julho, rejeitando, por 48 votos a 12, o relatório do deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), que era favorável à volta do processo ao Conselho de Ética.

    Devido ao período de campanha das eleições municipais, o processo não foi analisado em agosto pelo Plenário.

    Ao longo dos meses em que seu processo tramitou no Conselho de Ética e passou à CCJ, Eduardo Cunha, por meio de seus aliados, foi acusado inúmeras vezes de manobrar o Regimento Interno da Câmara para atrasar o andamento das acusações contra ele. Seu processo é considerado um dos mais longos na história da Casa.

    Eduardo Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção, lavagem de dinheiro e ocultação de contas.






    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS